Tribunal do Zimbábue adia decisão sobre resultado de eleição

Um tribunal do Zimbábue adiou parasegunda-feira uma decisão sobre a ordem de liberação dosresultados das eleições presidenciais do país, os quais opresidente Robert Mugabe tenta segurar. O Movimento para a Mudança Democrática (MDC), da oposição,diz que Mugabe tenta atrasar os resultados para que consigasair da pior crise de seu mandato de 28 anos. O movimento pedeque o Supremo Tribunal force a liberação dos resultados. O MDC diz que seu líder, Morgan Tsvangirai, já venceu aseleições e deveria ser declarado presidente, dando fim aomandato de Mugabe, que dura ininterruptamente desde aindependência do país da Grã-Bretanha. Depois de uma audiência de quase quatro horas, o juiz doSupremo Tribunal Tendai Uchena adiou para estudar um argumentoda comissão eleitoral de que ele não teria jurisdição. Nenhum resultado foi publicado das eleições presidenciaisocorridas há oito dias, mas o partido governista ZANU-PF deMugabe quer que a comissão eleitoral atrase o anúncio dosresultados até que seja feita uma recontagem. Mugabe sofreu sua primeira derrota eleitoral quando oZANU-PF perdeu o controle do parlamento nas eleições de 29 demarço. O pedido do ZANU-PF por uma recontagem e pelo adiamento éparte da estratégia de Mugabe de continuar no poder mesmo com aderrota e com projeções de que ele teria perdido as eleições. A estratégia inclui desafios legais contra os resultadosparlamentares e a organização de milícias pró-governo antes deum possível segundo turno. Um grupo de militantes veteranos da guerra de libertação,usados normalmente como tropas de choque políticas por Mugabe,reapareceram para apoiá-lo. Regras eleitorais dizem que um segundo turno deveria serpromovido três semanas depois da liberação dos resultados, oque significa que quanto mais tempo sejam atrasados osresultados, mais tempo tem Mugabe para se reagrupar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.