Arquivo/Reuters
Arquivo/Reuters

Tribunal egípcio condena 113 seguidores da Irmandade Muçulmana

Réus podem recorrer das decisões em liberdade se pagarem a fiança de 5 mil libras egípcias estabelecida

O Estado de S. Paulo,

09 de janeiro de 2014 | 14h05

CAIRO - Uma corte egípcia condenou 113 seguidores da Irmandade Muçulmana nesta quinta-feira, 9, pela participação em revoltas, ataques contra a polícia e porte de armas. Os três processos separados foram levados à Justiça após uma série de protestos contra o governo apoiado pelo Exército.

As autoridades conduzem uma dura repressão contra a Irmandade desde que os militares depuseram o presidente islamita Mohamed Morsi em julho, após protestos em massa.

O atual governo acusa a Irmandade de recorrer à violência e em 25 de dezembro a classificou como um grupo terrorista. A organização alega estar comprometida com protestos pacíficos.

As decisões judiciais desta quinta-feira incluem a condenação de 63 pessoas a três anos de prisão em um único processo, uma das maiores condenações em massa até o momento. O juiz multou cada um dos condenados em 50 mil libras egípcias (US$ 7,2 mil).

Foi estabelecida uma fiança de 5 mil libras egípcias, o que permite aos réus evitar a prisão enquanto recorrem. O caso corresponde a um protesto realizado no fim de novembro.

Em um caso separado, outros 24 seguidores da Irmandade foram condenados a três anos de prisão e trabalho comunitário por confrontos ocorridos na mesma época, mas em uma parte diferente do Cairo.

No terceiro processo, a corte condenou 26 estudantes da Universidade Al-Azhar a 2 anos e meio de prisão cada, também por acusações que incluem o ataque contra forças de segurança, agrupamento ilegal e vandalismo. A universidade no Cairo tem sido cenário de frequentes protestos contra o governo, desde a queda de Morsi./ REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoIrmandade Muçulmana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.