Tribunal egípcio diz que Exército não pode prender civis

Um tribunal egípcio revogou nesta terça-feira um decreto que autorizava o Exército a deter civis, num revés para a junta militar que prepara a transferência do poder para um presidente civil.

REUTERS

26 de junho de 2012 | 18h30

A junta militar egípcia baixou esse decreto dias antes do tenso segundo turno da eleição presidencial, em 16 e 17 de junho, autorizando os soldados a deter pessoas envolvidas em tumultos nas ruas.

Mas políticos e grupos de direitos humanos contestaram a medida, acusando os militares de ressuscitar o estado de emergência que o ex-presidente Hosni Mubarak usou contra a oposição durante seus 30 anos no poder, encerrados por uma rebelião popular no ano passado.

Em sua sentença, o juiz Ali Fikry disse que "o ministro da Justiça violou a autoridade outorgada a ele pela Constituição" ao autorizar agentes da polícia militar e da inteligência militar a prenderem civis.

O Ministério da Justiça pode recorrer da sentença, que entrou em vigor imediatamente.

(Reportagem de Yasmine Saleh)

Mais conteúdo sobre:
EGITOEXERCITOPRENDER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.