Tribunal eleitoral barra ex-ditador na Guatemala

A Justiça eleitoral da Guatemala negou o registro da candidatura do ex-ditador Efraín Ríos Montt, que pretendia concorrer à presidência pelo partido governista Frente Republicana Guatemalteca (FRG), alegando que a Constituição proíbe que autores de golpes de Estado se candidatem. Dias atrás, a embaixadora dos EUA na Guatemala havia expressado o desagrado de Washington diante da pretensão do ex-ditador, de voltar ao poder pelas urnas. Esta é a terceira vez, desde 1989, que as autoridades eleitorais rejeitam a candidatura de Ríos Montt (1982-1983) por ele ter assumido a presidência pós derrubar o general Romeo Lucas García. O chefe do registro eleitoral, Miguel Solís, leu para a imprensa a decisão que rejeitou o pedido do ex-mandatário, com base no artigo 186 da Constituição. Ríos Montt se encontrava realizando comícios de campanha na região de Totonocapán, a cerca de 120 km da capital, e ainda não se pronunciou sobre a decisão da Justiça eleitoral. Seu partido, o FRG, terá três dias para apresentar um recurso pedindo a anulação da decisão do Tribunal Superior Eleitoral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.