AFP PHOTO/CRIS BOURONCLE
AFP PHOTO/CRIS BOURONCLE

Tribunal Eleitoral do Peru decide se Keiko Fujimori poderá disputar presidência

Filha do ex-presidente Alberto Fujimori, preso desde 2007, é favorita segundo as últimas pesquisas, mas opositores pedem que candidatura seja impugnada por suposta compra de votos

O Estado de S. Paulo

31 de março de 2016 | 11h40

LIMA - A mais alta instância judicial eleitoral do Peru decide em três dias se ratifica, ou revoga, uma sentença que permitiu à favorita Keiko Fujimori continuar na corrida à presidência, depois de ser acusada de compra de votos. Na quarta-feira, 30, o tribunal ouviu as alegações da acusação e da defesa e deixou o caso pronto para ser votado ainda nesta semana. 

"As provas são suficientes para revogar a decisão e excluir Keiko Fujimori", declarou o congressista Heriberto Benítez. Ele sustentou a apelação à decisão do Júri Eleitoral Especial de Lima. Em 24 de março, este órgão considerou infundado o pedido para excluir Keiko da corrida, alegando que a candidata não infringiu a lei.

A polêmica acontece há dez dias da eleição presidencial.

"Todos são iguais. Não se pode ter comportamento proibido", enfatizou Benítez, diante dos cinco magistrados que integram o Júri Nacional Eleitoral (JNE), alvo de críticas após dois candidatos à presidência também acusados de descumprir a lei eleitoral serem excluídos da disputa.

Se a sentença for revogada e Keiko Fujimori for excluída, seu partido, o Força Popular, pode apelar de forma extraordinária em menos de 24 horas, em um contexto marcado pela pressão do tempo diante da proximidade das eleições presidenciais de 10 de abril.

Durante a audiência, que foi pública e transmitida pela televisão, os demandantes reiteraram que Keiko transgrediu a lei ao participar de uma premiação realizada em um evento de simpatizantes.

"Os demandantes mostram fotos e vídeos pouco claros e antigos, não são idôneos. Não acreditamos que (ela) infringiu a norma", rebateu o congressista Pedro Spadaro, que defende Keiko Fujimori.

Liderando a disputa com pouco mais de 30% das intenções de voto em todas as pesquisas, Keiko é filha do ex-presidente Alberto Fujimori (1990-2000). Desde 2007, ele cumpre uma pena de 25 anos de prisão por corrupção e por crimes de lesa-humanidade. / AFP

Mais conteúdo sobre:
PeruKeiko Fujimori

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.