Tribunal francês aprova extradição de suspeito de atentado em museu

Mehdi Nemmouche será extraditado para a Bélgica; ele é acusado do ataque a tiros que matou quatro pessoas em Bruxelas

O Estado de S. Paulo

26 de junho de 2014 | 11h12

PARIS - Um tribunal francês aprovou nesta quinta-feira, 26, a extradição para a Bélgica do suspeito de participar do ataque de 24 de maio no Museu Judaico de Bruxelas, que deixou quatro pessoas mortas.

Mehdi Nemmouche, de 29 anos, está detido com base nas leis antiterrorismo, suspeita de assassinato, tentativa de assassinato e posse de armas relacionadas ao ataque. Ele foi preso em Marselha, sul da França, em 30 de maio.

Nemmouche havia recusado a extradição, mas depois concordou com a condição de a Bélgica não o enviar para um terceiro país para julgamento. Seu advogado, Apolin Pepiezep, disse que Nemmouche temia ser enviado para Israel, dado que duas das vítimas do ataque eram israelenses.

Promotores dizem que Nemmouche já havia cometido ilegalidades na França, foi condenado por assalto a mão armada, agressão e vandalismo e passou a maior parte de 2013 na Síria combatendo ao lado de rebeldes islâmicos.

Governos europeus estão cada vez mais preocupados com os cidadãos que estão indo lutar na Síria, pois ao voltar podem trazer para o continente a militância islâmica.

No ataque em Bruxelas, um homem abriu fogo com um fuzil Kalashnikov e matou um casal israelense e uma mulher francesa. Um homem belga também baleado morreu dias depois. / REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.