AFP
AFP

Tribunal francês entrega veredicto sobre corrupção de Nicolas Sarkozy nesta segunda

Ex-presidente da França é acusado de tentar subornar um juiz e exercer tráfico de influência para obter informações de uma investigação sobre o financiamento de sua campanha presidencial de 2007

Richard Lough, Reuters

01 de março de 2021 | 07h37

O ex-presidente da França, Nicolas Sarkozy, pode ser condenado à cadeia nesta segunda-feira, 1º. Um tribunal francês vai entregar seu veredicto sobre um caso de corrupção no qual o ex-presidente é acusado, com promotores pedindo sua prisão.

Sarkozy presidiu a França de 2007 a 2012 e permanece como uma figura influente entre os conservadores. Ele é acusado de tentar subornar um juiz e de exercer tráfico de influência em troca de informações sobre uma investigação sobre as finanças de sua campanha presidencial.

Na acusação, os promotores defenderam que o tribunal condenasse Sarkozy, de 66 anos, a quatro anos de prisão, dos quais deveria servir pelo menos dois. 

Durante seu testemunho, o ex-presidente disse que foi vítima de mentiras e negou a prática de qualquer ato de corrupção. "Nunca. Nunca abusei da minha influência, alegada ou real", disse ele ao tribunal em dezembro. "Que direito eles têm de me arrastar através da lama assim por seis anos? Não há lei?".

Promotores alegam que Sarkozy se ofereceu para garantir um ótimo emprego em Mônaco para o juiz Gilbert Azibert em troca de informações confidenciais sobre uma investigação que apurava supostos pagamentos ilegais da herdeira Liliane da L'Oreal Bettencourt em sua campanha presidencial de 2007.

Isso veio à tona, dizem os promotores, enquanto eles estavam escutando conversas entre Sarkozy e seu advogado Thierry Herzog depois que Sarkozy deixou o cargo, em relação a outra investigação sobre o alegado financiamento da Líbia para a campanha de 2007.

Azibert - na época magistrado do principal Tribunal de Apelações da França para casos criminais e bem informado sobre o inquérito Bettencourt - não conseguiu o emprego em Mônaco. Os promotores estão buscando a mesma punição para o juiz e Herzog, que estão sendo julgados ao lado de Sarkozy.

O antecessor de Sarkozy, Jacques Chirac, é o único outro presidente sob a Quinta República da França no pós-guerra que enfrentou julgamento após deixar o cargo. Chirac, que morreu em 2019, foi considerado culpado em 2011 por presidir um sistema de empregos fantasmas na Prefeitura de Paris para amigos políticos quando era prefeito da capital. Conferido com uma pena suspensa de dois anos, Chirac escapou de cumprir pena na prisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.