Tribunal indiano condena 4 por estupro de jovem

Um tribunal indiano condenou nesta terça-feira quatro homens pelo estupro e morte de uma jovem no interior de um ônibus em movimento em Nova Délhi, um crime brutal que resultou a indignação pública para a violência sexual generalizada - embora amplamente tolerada - enfrentada pelas mulheres indianas.

Agência Estado

10 Setembro 2013 | 14h57

Assim que o veredicto foi lido, manifestantes do lado de fora do tribunal gritavam "enforcamento, enforcamento". Os homens foram condenados por todos os 11 crimes dos quais foram acusados, incluindo estupro e assassinato, e agora podem ser enforcados. A sentença deve ser anunciada na quarta-feira.

O juiz Yogesh Khanna disse durante o veredicto que os homens, que enganaram a vítima de 23 anos e um amigo dela para que entrassem no ônibus que dirigiam, cometeram o "assassinato de uma pessoa indefesa".

Os pais da mulher, que não podem ser identificados, de acordo com a lei indiana, choraram quando o veredicto foi lido. A mãe estava sentada a poucos metros dos condenados no interior de um pequeno tribunal, cheio de advogados, policiais e repórteres. A audiência durou apenas alguns minutos e os quatro homens foram rapidamente retirados da sala pelos policiais após a leitura do veredicto.

Ao falar com a imprensa antes da condenação, o pai da vítima pediu a execução dos homens. "Pelo que aconteceu com ela, esses bárbaros devem ser enforcados", disse ele. "Nada, a não ser a pena de morte é aceitável para nós."

Manifestantes chamaram o ataque, ocorrido em 16 de dezembro, um alerta para o país, onde há muito tempo as mulheres falam baixo sobre a violência sexual e geralmente são responsabilizadas pelos crimes quando reclamam publicamente.

"Toda menina, de qualquer idade, passa por assédio ou estupro. Não nos sentimos seguras", disse a estudante de Direito Rabia Pathania. "É por isso que estamos aqui. Queremos que este caso seja um exemplo para todas as ações que foram e serão movidas."

Os advogados dos condenados afirmam que eles foram torturados, uma ocorrência comum no sistema judiciário indiano, e que as confissões, que foram posteriormente negadas, foram obtidas sob coerção. "Estes homens foram enquadrados apenas para agradar o público", disse o advogado A.P. Singh, que afirmou que eles são inocentes.

Os homens foram identificados pelo amigo da vítima. A polícia diz que eles podem ser vistos em imagens de câmeras de segurança instaladas perto do veículo. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Índiaestuprocondenação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.