Tribunal inicia julgamento histórico contra ex-presidente guatemalteco

Alfonso Portillo e outros dois ex-ministros são acusados de desviar cerca de US$ 15 milhões

Efe

21 de janeiro de 2011 | 17h49

GUATEMALA - Um tribunal da Guatemala iniciou nesta sexta-feira, 21, o histórico julgamento por corrupção contra o ex-presidente Alfonso Portillo (2000-2004) e dois de seus ministros acusados de um desvio de fundos milionário.

 

A juíza Morelia Ríos, presidente do Tribunal de Sentença Penal, declarou no início do julgamento público contra o ex-presidente e os ex-ministros da Defesa Eduardo Arévalo e de Finanças Manuel Maza.

 

Os três são acusados pela procuradoria guatemalteca e pela Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala (Cicig) do desvio de 120 milhões de quetzais (equivalente a US$ 15 milhões) do fundo nacional guatemalteco.

 

O desfalque, segundo as investigações da Cicig, os teriam cometido Portillo e seus dois ex-ministros, em coordenação com outros ex-funcionários públicos, utilizando as estruturas do Estado por meio do abuso da autoridade que estavam investidos e a impunidade.

 

A quantia teria ido parar nas contas pessoais dos ex-funcionários, assim como a estruturas integradas em sua maioria por antigos ex-militares e dedicadas a diversas atividades ilícitas.

 

Para demonstrar a culpabilidade dos processados, a procuradoria e a Cicig apresentarão durante o julgamento mais de 700 provas documentários e a declaração de 36 pessoas, entre peritos especializados e testemunhas de acusação.

  

Esta é a primeira vez na história da Guatemala que um ex-presidente é detido e processado por supostos delitos cometidos durante seu mandato.

 

Portillo aguarda na prisão desde janeiro do ano passado, quando foi detido em uma zona do Caribe guatemalteco, a pedido da Justiça dos Estados Unidos, que o reivindica em extradição por delitos de lavagem de dinheiro, processo que deverá enfrentar após concluir o julgamento iniciado nesta sexta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.