Oded Bality/AP
Oded Bality/AP

Tribunal israelense rejeita pedido de Netanyahu para adiar julgamento

Premiê é acusado de fraude, quebra de confiança e suborno; processo deve ser iniciado na próxima semana

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de março de 2020 | 17h58

JERUSALÉM - Um tribunal israelense rejeitou nesta terça-feira, 10, o pedido do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu de adiar o início de seu julgamento por corrupção, abrindo caminho para o início dos procedimentos na próxima semana, conforme planejado.

Os advogados de Netanyahu apelaram por um adiamento, dizendo que precisavam de mais tempo para revisar as evidências. Os promotores estaduais responderam que se opunham a qualquer atraso e o tribunal aceitou sua posição.

Ao anular o pedido, o juiz escreveu que a primeira sessão, realizada em 17 de março, era apenas uma leitura processual das acusações e a resposta do réu não era necessária, portanto, não havia justificativa para um adiamento.

Netanyahu foi acusado de fraude, quebra de confiança e de ter recebido subornos em conexão com uma série de escândalos que incluem presentes caros de amigos ricos e oferta de troca de favores com poderosos magnatas da mídia.

O líder israelense de longa data nega qualquer irregularidade e diz que é vítima de uma caça às bruxas orquestrada pela mídia.

Seus problemas legais estavam no centro das eleições nacionais da semana passada, a terceiro de Israel em menos de um ano. Como as eleições de abril e setembro, esta terminou inconclusivamente.

O oponente de Netanyahu, Benny Gantz, recusou-se a sentar-se com ele no governo e parece pronto a pressionar por uma legislação no parlamento que impediria  qualquer pessoa indiciada por um crime de liderar um governo - na verdade desqualificando Netanyahu para o cargo.

A saída mais direta do impasse político em cada uma das eleições anteriores seria um governo de unidade, mas os lados se tornaram cada vez mais agressivos a cada campanha./AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.