Jim Hollander/Efe
Jim Hollander/Efe

Tribunal mantém condenação de ex-presidente de Israel

Três juízes responsáveis pelo caso decidiram que Katsav era culpado por estupro e rejeitaram os 'cenários alternativos' propostos por ele

AE, Agência Estado

10 de novembro de 2011 | 09h01

JERUSALÉM - A Suprema Corte de Israel manteve nesta quinta-feira a condenação ao ex-presidente Moshe Katsav por estupro, ao decidir sobre uma apelação dele contra a condenação e a sentença de sete anos de prisão. Três juízes responsáveis pelo caso decidiram que Katsav era culpado por estupro e rejeitaram os "cenários alternativos" propostos por ele, segundo a rádio do Exército israelense.

Katsav, de 65 anos, foi sentenciado em março a sete anos de prisão, após ser condenado no fim do ano passado por duas acusações de estupro e outros delitos sexuais em um escândalo que abalou Israel. Ainda deve pagar o equivalente a US$ 28 mil à principal vítima, conhecida apenas como "Aleph", bem como US$ 7 mil à segunda vítima.

Com a manutenção da sentença, Katsav deve começar a cumprir a pena nos próximos dias, segundo a imprensa israelense. A defesa alegava que Katsav havia mantido relações sexuais consensuais com as mulheres. Durante o julgamento, o ex-presidente foi apresentado como um predador sexual que rotineiramente incomodava suas funcionárias. Ele dizia ser vítima de uma conspiração da imprensa.

 

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.