Tribunal nega pedido de viagem de Imelda Marcos

O Tribunal Anticorrupção das Filipinas rejeitou um pedido apresentado por Imelda Marcos, viúva do ditador Ferdinand Marcos, que pretendia sair do país para se submeter a exames médicos, informou neste sábado a imprensa local.A magistratura explicou que Imelda ainda não foi acusada formalmente de um dos 11 casos pendentes com o tribunal e que retirou os 630 mil pesos (US$ 12.428) depositados como fiança para poder viajar.Em fevereiro, o Sandiganbayan (nome popular do tribunal) havia aprovado um pedido semelhante da ex-primeira-dama. Mas ela teve que adiar a viagem depois de um deslizamento de terras afetar seu povoado natal, Leyte, na parte central das Filipinas.Robert Sison, um dos advogados de Imelda, afirmou que a Constituição filipina permite a viagem e que não haverá risco para a segurança nacional nem para a ordem pública do país.O advogado insistiu que Imelda não tem intenção de evitar a justiça e que já viajou ao exterior várias vezes, sempre voltando de acordo com as condições impostas pelo tribunal.A Comissão Presidencial de Bom Governo calcula que Marcos acumulou US$ 10 bilhões ilicitamente até ser obrigado a abandonar as Filipinas, em 1986, por uma revolta popular que instaurou a democracia no país. No entanto, sua viúva, que continua sendo uma figura importante da vida social filipina, foi absolvida da maioria dos 417 processos que enfrentou nos Estados Unidos e no arquipélago.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.