Tribunal ordena divulgação de nomes dos detidos pós ataque ao WTC

A juíza federal norte-americana Barbara Kessler determinou hoje que o governo dos EUA divulgue os nomes de todas as pessoas detidas nas investigações dos ataques terroristas de 11 de setembro do ano passado. A decisão da juíza permite duas exceções, após um estudo caso a caso: quando a pessoa detida for considerada "testemunha material" das investigações ou a pedido do próprio detido. Cerca de 1.200 pessoas foram detidas após os ataques terroristas - sendo que a maioria delas já foi deportada - e o governo dos EUA tem sido criticado por não revelar seus nomes; em muitos casos, as garantias constitucionais de acesso a advogado não foram cumpridas e muitos dos detidos não puderam fazer contato com suas famílias. Em sua decisão, Kessler indicou que a justificativa usada pelo governo para manter os nomes em segredo era insuficiente. O argumento de Washington de que os terroristas de outras nações poderiam ficar a par dos progressos dos investigadores americanos com a publicação dos nomes dos detidos, segundo Kessler, é ilógico. De acordo com a juíza, os documentos do governo "não indicavam em nenhum momento que alguns dos detidos tinham conexões com o terrorismo. Tampouco eles apresentavam provas que permitissem que o tribunal descobrisse possíveis vínculos com atividades terroristas.

Agencia Estado,

02 Agosto 2002 | 17h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.