Hussein Malla/AP
Hussein Malla/AP

Tribunal que investiga caso de Hariri pede informações ao Hezbollah

Grupo militante islâmico diz provas do envolvimento de Israel na morte de ex-premiê libanês

Efe

11 de agosto de 2010 | 14h45

BEIRUTE - A promotoria do Tribunal Especial para o Líbano, que investiga o assassinato do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri em 2005, pediu nesta quarta-feira, 11, ao governo que forneça as provas apresentadas pelo Hezbollah sobre o caso. O grupo militante acusa Israel de estar por trás do crime.

 

Um comunicado da promotoria, publicado pela agência de notícias nacional libanesa ANN, explicou que o órgão solicitou às autoridades do Líbano todas as informações em poder do secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, inclusive o material de vídeo que mostrou em entrevista coletiva transmitida pela televisão.

 

Em 9 de agosto, Nasrallah apresentou vídeos e fotos aéreas, mas não provas contundentes que supostamente comprovariam o envolvimento de Israel no assassinato de Hariri. O ex-premiê foi morto em 14 de fevereiro de 2005 em um atentado com carro-bomba em Beirute.

 

Nasrallah disse que só apresentaria essas provas à corte se ficasse provado que o órgão não está "politizada". O tribunal é sediado cidade de Leidschendam, na Holanda.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbanoHaririHezbollah

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.