Tribunal revela nomes de acusados pela morte de Rafik Hariri em 2005

Membros do Hezbollah são apontados como responsáveis pelo assassinato do ex-premiê libanês

Efe

29 de julho de 2011 | 13h35

Página do Tribunal mostra os acusados pela morte do ex-premiê

 

BRUXELAS - O Tribunal Especial para o Líbano decidiu revelar os nomes dos quatro membros do grupo libanês xiita Hezbollah supostamente envolvidos no assassinato do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri.

 

O juiz instrutor Daniel Fransen ordenou o fim do segredo em relação aos nomes das quatro pessoas mencionadas na ata de acusação, informou nesta sexta-feira o tribunal em comunicado.

 

O promotor-chefe do tribunal, Daniel Bellemare, acusa os quatro homens - Salim Jamil Ayyash, Mustafa Amine Badreddine, Hussein Hassan Oneissi, Assad Hassan Sabra - de estarem envolvidos no atentado com carro-bomba de 14 de fevereiro de 2005 em Beirute que resultou na morte de Hariri e de outras 22 pessoas.

 

A imprensa libanesa já tinha revelado os nomes dos quatro acusados. De acordo com os meios de comunicação locais, Badreddine é primo e cunhado de Imad Mugniye, principal responsável militar do Hezbollah assassinado em 12 de fevereiro de 2008 em Damasco.

 

Acredita-se que ele substituiu seu primo à frente das operações militares do grupo libanês xiita.

 

Ayyash é um alto responsável da segurança do Hezbollah, possui nacionalidade americana, e se suspeita que tenha sido o organizador do ataque e quem dirigiu o atentado contra Hariri.

 

A ordem de suspensão do segredo foi emitida por Bellemare em consultas com o procurador-geral libanês, Said Mizra, e após constatar que a medida "não contradiz a lei libanesa a respeito da execução das detenções".

 

Na ordem, o promotor-chefe do tribunal afirma que a publicação da informação disponível sobre os quatro acusados poderia aumentar a possibilidade de eles serem detidos.

 

O juiz instrutor considera que a divulgação da informação não afeta os direitos dos acusados, que continuam desfrutando da garantia da presunção de inocência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.