Ahn Young-joon/AP
Ahn Young-joon/AP

Tribunal sul-coreano condena capitão de balsa à prisão perpétua

Nova pena derruba condenação anterior por negligência; acidente em abril de 2014 deixou 304 mortos, a maioria adolescentes

O Estado de S. Paulo

28 de abril de 2015 | 10h07

SEUL - O capitão de um barco sul-coreano que afundou no ano passado, matando 304 pessoas - a maioria adolescentes -, foi considerado culpado por homicídio em um tribunal de apelação, nesta terça-feira, 28, e condenado à prisão perpétua, em um julgamento que derrubou uma condenação anterior por negligência.

Os promotores, que tinham originalmente pedido a condenação do capitão da balsa, Lee Joon-seok, por homicídio, apelaram contra uma decisão de um tribunal de primeira instância em novembro, que o considerou culpado por negligência e o condenou a 36 anos de prisão.


Os advogados de defesa de Lee também haviam apresentado um recurso contra a severidade da sentença anterior, mas sua demanda foi rejeitada pelo Tribunal Superior Gwangju, que acatou o pedido dos promotores e impôs o veredicto e a sentença mais dura.

O Tribunal Superior de Gwangju também anulou uma condenação por homicídio contra o engenheiro-chefe da balsa Sewol, considerando-o culpado por negligência. Sua sentença de 30 anos de prisão foi reduzida para 10 anos.

Um vídeo da tripulação abandonando o Sewol após instruir os passageiros a permanecerem em suas cabines causou indignação e pedidos de punição severa. A maior parte dos passageiros eram adolescentes em uma viagem escolar. Apenas 172 dos 476 passageiros e tripulantes da balsa foram resgatados. Dos 304 mortos confirmados ou ainda dados como desaparecidos, 250 eram crianças em idade escolar.

Lee pediu desculpas aos familiares das vítimas durante o julgamento de primeira instância e disse que não tinha a intenção de matar ninguém. Os promotores argumentaram que não exercer o seu dever de retirar os passageiros equivalia a homicídio.

Os membros da tripulação, que receberam penas que vão de 5 a 36 anos, tinham pedido clemência e afirmado que nunca haviam recebido formação adequada sobre a evacuação de passageiros. O tribunal de apelação reduziu as penas de prisão de 14 outros membros da tripulação para períodos entre 18 meses e 12 anos, informou a corte.

O naufrágio. Sobrecarregado, a Sewol virou ao fazer uma curva em uma viagem de rotina em 16 de abril do ano passado. Mais tarde se descobriu que a embarcação tinha uma estrutura defeituosa.

Antes de lançar os apelos um promotor envolvido no caso disse que em novembro as decisões contra os 15 membros da tripulação, incluindo o engenheiro-chefe, foram "decepcionantes", especialmente o veredicto de que o capitão não era culpado de homicídio. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do SulnaufrágioSewol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.