Tribunal suspende ordem de detenção contra viúva de Milosevic

As autoridades judiciais sérvias suspenderam a ordem de detenção contra a viúva do ex-presidente sérvio e iugoslavo Slobodan Milosvic, Mira Markovic, para que possa assistir ao eventual enterro de seu marido em Belgrado, informou à EFE a porta-voz do Tribunal de Belgrado, Ivana Ramic. A porta-voz disse que o tribunal aceitou a garantia oferecida pelos advogados de Mira, mas explicou que a acusada só poderá permanecer em liberdade enquanto comparecer com regularidade às entrevistas convocadas pela Justiça. "Do contrário, será detida", assegurou Ramic. Mira abandonou a Sérvia em fevereiro de 2003 no início de um processo contra si por suposta malversação de fundos estatais. Marko, o filho do ex-presidente iugoslavo Slobodan Milosevic, chegou nesta segunda-feira à Holanda para acompanhar o cadáver de seu pai, morto no sábado passado de um infarto do miocárdio. Marko Milosevic chegou em um vôo da Aeroflot, procedente de Moscou, ao aeroporto de Schiphol de Amsterdã, onde foi recebido pelo advogado da família, Zdenko Tomanovic, informou a agência holandesa ANP. O filho de Milosevic se dirigirá ao Instituto Nacional Forense holandês, nos arredores de Haia, onde está o cadáver do ex-dirigente iugoslavo. Milosevic morreu em sua cela nas dependências do Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII), onde estava sendo submetido a julgamento desde fevereiro de 2002 por 66 acusações de genocídio, crimes de guerra e contra a humanidade na Croácia, Bósnia e Kosovo. O TPII finalizou nesta terça-feira formalmente o processo de quatro anos, em uma breve audiência na qual o presidente da corte, o juiz Patrick Robinson, expressou seu pesar pela morte prematura de Milosevic e disse que "não só ele, mas todas as partes interessadas em um veredicto são privadas". Marko Milosevic disse que as autoridades de Belgrado não permitem que seu pai seja enterrado em sua pátria e que os funerais provavelmente serão em Moscou.

Agencia Estado,

14 Março 2006 | 10h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.