Trinta guerrilheiros se entregam às autoridades na Chechênia

Cerca de 30 guerrilheiros se entregaram nesta sábadp às autoridades da Chechênia e abandonaram a luta armada, anunciou Ramzan Kadyrov, primeiro-ministro desta república russa.Após "árduas negociações", os guerrilheiros, que se escondiam nas montanhas, entregaram também sua armas (fuzis, metralhadoras e lança-granadas) e munição, informou a agência oficial "Itar-Tass"."Este é o maior grupo de guerrilheiros que abandona as florestas nos últimos quatro anos. Se não tiverem cometido delitos graves, poderão voltar para suas famílias e conseguir um trabalho", explicou.Kadyrov, que encabeça um exército de milhares de leais que combatem a guerrilha separatista por toda a república, garantiu pessoalmente a segurança do grupo.Os guerrilheiros se reuniram com as tropas de Kadyrov em um lugar conveniente e foram escoltados até um quartel da Polícia na cidade de Gudermes.O primeiro-ministro, filho do presidente checheno assassinado pela guerrilha em maio de 2004, garantiu que a entrega dos guerrilheiros é resultado de uma campanha realizada nos últimos meses por toda a Chechênia."Este trabalho continuará até que as montanhas e as florestas da Chechênia ficarem livres de bandidos", disse.Muitos dos guerrilheiros "arrependidos" acabaram por integrar as fileiras do Exército de Kadyrov, que é acusado pelos grupos de direitos humanos de atuar com total impunidade no território da república.Ataques A guerrilha chechena anunciou esta semana novos ataques contra alvos russos a fim de vingar a recente morte em combate do líder dos separatistas Abdul-Khalim Saydullayev.Saydullayev morreu em 17 de junho em Argun, a terceira maior cidade chechena, durante um tiroteio com as tropas de Kadyrov, que jurou vingar a morte de seu pai.O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou esta semana que as ações militares contra a guerrilha separatista não cessam na Chechênia e que a república é palco de "ataques terroristas".O conflito da Chechênia, que se prolonga desde dezembro de 1994, matou dezenas de milhares de pessoas, a maioria civis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.