Trio é condenado à morte por atentados no Egito

Um tribunal egípcio condenou à morte nesta quinta-feira três membros do grupo islâmico radical "Tawhid ual Yiad" (Monoteísmo e Guerra Santa) pelos atentados contra pontos turísticos na região do Sinai em 2004 e 2005. O primeiro ataque na região aconteceu em outubro de 2004 e deixou 34 mortos, enquanto 60 pessoas morreram em um outro atentado em julho de 2005. Depois do ataque de 2005, o grupo egípcio Monoteísmo e Guerra Santa, se apresentou como uma organização ligada a Al Qaeda, e admitiu a autoria dos ataques. O advogado Muntaser al Zayat, que representa um dos condenados, afirmou que outros dez membros do grupo foram condenados a diversas penas. Segundo um comunicado divulgado na internet, o grupo prometia "continuar a guerra contra os judeus e os cristãos a partir do Sinai". O comunicado também dizia que "a guerra começou com um ataque contra os focos do mal e da prostituição na terra do Sinai".

Agencia Estado,

30 Novembro 2006 | 11h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.