Tríplice Fronteira volta a ser preocupação dos EUA

Em audiência no Senado, diretor nacional de Inteligência de Obama[br]menciona região como possível refúgio de terroristas e traficantes

AFP e NYT, Washington, O Estadao de S.Paulo

13 de fevereiro de 2009 | 00h00

Em sua primeira audiência no Senado americano, o novo diretor nacional de Inteligência dos EUA, o almirante da reserva Dennis Blair, afirmou ontem que o grupo libanês Hezbollah "está presente na Tríplice Fronteira - entre Brasil, Paraguai e Argentina -, região conhecida pelo tráfico de drogas e armas". A atuação do partido libanês, considerado terrorista por Washington, teria sido reforçada pela proximidade entre o Irã e o governo do presidente venezuelano, Hugo Chávez.Blair, porém, não deu evidências sobre a presença do Hezbollah na região. Desde o governo de Bill Clinton, Washington aponta para indícios de que o grupo xiita atua na Tríplice Fronteira - preocupação que se estende agora à administração Obama.A aliança Caracas-Teerã teria também servido de "ponte" para o aumento da influência do Irã na América Latina, declarou o chefe da espionagem americana à Comissão de Inteligência do Senado.Blair admitiu não saber se o Irã desenvolve atualmente armas nucleares, mas garantiu que Teerã "mantém aberta a possibilidade de produzi-las". Os EUA, disse Blair, ainda avaliam se o programa iraniano para desenvolver armas nucleares - congelado em 2003, segundo relatório divulgado pela CIA no ano passado - foi retomado.Chávez também deverá seguir dando "refúgio" às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), já que tem uma afinidade "ideológica" e "histórica" com o grupo insurgente, alertou o chefe da espionagem. O líder venezuelano buscaria "influenciar a política colombiana". Mas, segundo Blair, as informações incriminadoras reveladas em um computador que pertencia ao líder guerrilheiro Raúl Reyes, assassinado pela Colômbia em março de 2008, fez Chávez moderar o tom agressivo com Bogotá.A maior ameaça à segurança dos EUA, entretanto, é a "crise financeira mundial e suas implicações geopolíticas", disse o almirante da reserva. A tormenta econômica levaria países frágeis a uma instabilidade política ainda maior. "Quanto mais longa for a crise, maior será a ameaça aos interesses estratégicos americanos", alertou.Mas, segundo o novo chefe da espionagem, o risco representado pela Al-Qaeda diminuiu em 2008 e hoje o grupo terrorista de Osama bin Laden é "menos e efetiva". Apesar do enfraquecimento do grupo, os EUA ainda continuam vulneráveis a ataques dentro de seu território.Blair afirmou que os esforços de guerra dos EUA e das forças da Otan não foram capazes de conter a ascensão do Taleban no Afeganistão e Paquistão. Fraco e corrupto, o governo do presidente Hamid Karzai seria incapaz de conter a insurgência, cada vez mais popular entre senhores da guerra da região.Nenhuma evolução seria possível sem a presença do Exército paquistanês na fronteira com o Afeganistão, mas Islamabad teria perdido autoridade sobre zonas tribais, declarou Blair. Com a perda de espaço, o radicalismo islâmico estaria "em alta" no Paquistão. Ele revelou que "um alto membro da Al-Qaeda" foi recentemente morto no Paquistão por um avião não-tripulado da CIA. Mas o desmantelamento do grupo não pode ser feito apenas com ataques aéreos, alertou.Com relação à Coreia do Norte, Blair disse que o país comunista só usará duas armas nucleares se se sentir ameaçado, mas acusou Pyongyang de exportar mísseis a vários países do Oriente Médio, entre eles o Irã.DIAGNÓSTICO Hezbollah - Proximidade Caracas-Teerã reforça presença do grupo libanês na América Latina Irã - Desenvolvimento de armas nucleares é uma ?possibilidade? Taleban - Terror cresceu com o governo ?fraco e corrupto? de Karzai e falta de apoio de Islamabad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.