Tripulantes já estão em solo americano

O Boeing 737 da Continental Airlines, fretado por Washington, aterrissou nesta manhã na ilha americana de Guam, no Pacífico, com os 24 militares norte-americanos que estavam detidos desde o dia 1º de abril na base naval chinesa da ilha de Hainan. Guam é a primeira escala da viagem. Em seguida, os militares seguirão para Honolulu, no Havaí, de acordo com o Departamento de Defesa dos EUA. Fontes oficiais manifestaram que o grupo, integrado por 21 homens e três mulheres permanecerão por quatro horas em Guam, para mudar de roupa e telefonar para seus familiares. A segunda parte da viagem será realizada por um C-17 da força aérea americana. A expectativa é de que os tripulantes cheguem a Washington a tempo de celebrar a Páscoa.A partida do grupo da base naval chinesa da ilha de Hainan encerra uma crise diplomática entre Washington e Pequim, que durou dez dias, provocada pela colisão entre o avião espião americano e um caça chinês no Mar do Sul da China, no último dia 1º de abril. Depois do acidente, a aeronave americana fez um pouso de emergência em Hainan sem autorização do governo chinês. Para liberar a tripulação, o governo chinês exigiu dos EUA um pedido formal de desculpas pela colisão, que provocou a morte do piloto do caça chinês, e pela invasão do território chinês.Leia Também:Minúcia semântica encerra caso de avião espião DIÁRIO DA CRISE DAOQIAN, YIHAN, SORRY... - Nuance de palavras dificultou negociação 150 anos de humilhações explicam posição chinesa 11 DIAS

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.