Tropas britânicas e iraquianas iniciam missão em Basra

Tropas britânicas e iraquianas iniciaram nesta quarta-feira uma ambiciosa missão de paz no sul da cidade de Basra, centro de corrupção da polícia iraquiana, para ajudar na reconstrução local.Cerca de 2.300 soldados iraquianos e mil britânicos estão se posicionando na "Operação Sinbad", com mais 2 mil soldados nas redondezas da cidade, segundo afirmou o Charlie Burbridge, porta-voz das forças britânicas.As tropas fizeram uma varredura na região sudeste da cidade de Basra, a segunda maior do país, no início desta quarta-feira. Eventualmente, a operação vai ser estendida para toda a cidade e deve durar alguns meses, afirmou Burbridge. "Gradualmente estamos tomando nossos postos. Nossa intenção é tomar Basra, que pode passar ao controle iraquiano", considerou.Em junho, o primeiro-ministro Nouri al-Maliki declarou estado de emergência na cidade, depois do crescimento da violência por parte de xiitas que lutavam pelo poder local. Desde janeiro de 2005, a cidade está sofre influência xiita, com militantes infiltrados na polícia e nas instituições governamentais de Basra.Burbridge afirmou que a "Operação Sinbad" é parecida com a que os Estados Unidos estão fazendo em Bagdá, e que as duas caminham juntas, patrulhando as cidades e com projetos de reconstrução."Nós não vamos de casa em casa, embora tenhamos um mandado de busca que nos permita fazer isso, vamos até os lugares que nossos serviços de inteligência nos indicam", afirmou Burbridge. "Nosso foco é melhorar as condições de vida em Basra". A missão vai começar com projetos como a limpeza das ruas da cidade e a instalação de iluminação, depois segue para a reforma de hospitais e a reconstrução da cidade, segundo as tropas britânicas. "Assim, vamos empregar centenas de pessoas", considerou Burbridge.A operação não tem data prevista para terminar, mas o porta-voz britânico afirmou que no mínimo vai durar "alguns meses, pelo menos até o fim deste ano".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.