Tropas britânicas vão iniciar retirada do Iraque

A Grã-Bretanha planeja começar a retirar seus soldados do Iraque dentro de algumas semanas e concluir a saída até meados de 2008, disse o general Nick Houghton, o mais alto oficial britânico no Iraque, segundo a edição desta terça-feira, 7, do Daily Telegraph. Atualmente o país mantêm cerca de 8 mil militares no Iraque, basicamente na região sul, ao redor da cidade de Basra. Houghton revelou a existência de um plano em etapas, elaborado em conjunto com chefes militares dos EUA, mas ainda não aprovado. "Há uma linha tênue entre ficar tempo demais e partir cedo demais", disse. Ele fez uma ressalva: o cronograma só vai funcionar se o Parlamento iraquiano formar um governo de união nacional e a violência sectária não piorar. O general repetiu a posição dos governos britânico e americano, de que as tropas só podem sair quando as forças iraquianas puderem assumir a segurança. No entanto, no domingo a imprensa britânica informou que EUA e Grã-Bretanha concordaram em retirar as tropas até meados de 2007 por terem concluído que sua presença se tornara um obstáculo à paz. O governo americano tachou os artigos de "completamente falsos". O embaixador dos EUA no Iraque, Zalmay Khalilzad, disse hoje que a invasão do país abriu uma "caixa de Pandora" de tensões étnicas e sectárias que pode mergulhar a região numa guerra total e prejudicar a economia mundial, se os EUA retirarem as tropas cedo demais. Ainda hoje, o general do Exército do Iraque Mibdir Hatam Hudaia al-Dulaimi foi morto por um franco-atirador na área oeste de Bagdá. Dulaimi é o oficial de mais alta patente a morrer no conflito iraquiano desde a queda de Saddam Hussein, em 2003.

Agencia Estado,

06 Março 2006 | 23h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.