Tropas da Etiópia atacam militares da Eritreia

Forças etíopes invadiram nesta quinta-feira a Eritreia e conduziram o que um porta-voz do governo da Etiópia, Shimeles Kemal, disse ter sido um "ataque de sucesso" contra postos militares eritreus. Kemal disse que a Etiópia iniciou as hostilidades porque a Eritreia está treinando "grupos subversivos" que conduzem ataques em território etíope. A Etiópia e a Eritreia travam uma guerra de fronteiras entre 1998 e 2000. As tensões voltaram a crescer entre os dois países da África Oriental nos últimos meses.

AE, Agência Estado

15 de março de 2012 | 14h28

Não foram informados detalhes sobre baixas militares ou operações em curso. "O governo da Eritreia continuou a lançar ataques contra a Etiópia através de grupos que treina. Os ataques continuam. Os recentes ataques contra turistas europeus são uma das razões para retaliarmos", disse Shimeles. Em janeiro, militantes atacaram turistas europeus de cinco nacionalidades que viajavam perto norte da Etiópia. Cinco turistas foram mortos e dois sequestrados. Os dois turistas sequestrados, alemães, já foram soltos.

"as medidas de hoje não constituem uma confrontação militar direta entre os dois países. A força de defesa etíope entrou na Eritreia e lançou um ataque de sucesso contra postos militares que eles usam para organizar,m treinar e financiar os grupos subversivos", disse o porta-voz etíope. Shimeles disse que é improvável que a Eritreia lance um contra-ataque porque "não está em uma situação que permita isso".

O embaixador da Eritreia na União Africana (UA), cuja sede fica capital etíope, Adis-Abeba, não respondeu às chamadas. Rashid Abdi, um analista regional que já trabalhou para o Grupo Internacional de Crises, disse que o ataque etíope representa "notícias bem ruins" que afetarão o conflito na Somália, onde tropas etíopes lutam contra militantes da rede extremista al-Shabab. Ele disse que o conflito entre a Etiópia e a Eritreia poderá crescer e virar uma nova guerra se a União Europeia ou os Estados Unidos não intervirem.

"Mesmo se a Eritreia não lançar um contra-ataque em retaliação, ela tentará prejudicar a Etiópia ao rearmar a al-Shabab na Somália", ele disse. "E mesmo co ma Etiópia sendo um poder militar na África Oriental, ela não conseguirá lutar duas guerras ao mesmo tempo", disse Abdi.

A última guerra de fronteiras entre Eritreia e Etiópia, no final dos anos 1990, deixou 80 mil mortos. Vários sinais indicam uma crescente tensão no local.

O primeiro-ministro da Etiópia, Meles Zenawi, disse ao Parlamento em abril que seu governo apoiaria ativamente grupos da oposição na Eritreia para tentar derrubar o regime do país vizinho. A Etiópia também culpa a Eritreia por ter maquinado vários ataques a bomba em Adis-Abeba em janeiro de 2011, durante a cúpula da União Africana.

A Eritreia não recebe auxílio estrangeiro e está sob várias sanções da Organização das Nações Unidas (ONU) por violações contra os direitos humanos. Relatório da ONU afirmam que o país apoia a Al-Shabab, que possui ligações com a Al-Qaeda. A Eritreia nega as acusações.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.