Tropas da Otan e forças afegãs lançam operação contra Taleban

Ação visa expulsão de 400 insurgentes dos arredores de Kandahar; dois soldados e 36 militantes são mortos

Agências internacionais,

18 de junho de 2008 | 08h23

Exército do Afeganistão e as tropas da Otan no país iniciaram uma grande operação militar em Kandahar, no sul do país, para expulsar militantes do Taleban que estão em operação no distrito de Arghandab, nos arredores da cidade. Dois soldados afegãos e pelo menos 36 militantes foram mortos durante os confrontos, de acordo com declarações do Ministério da Defesa do país.   Cerca de 400 militantes estão no distrito de Arghandab e teriam tomado o controle de pelo menos oito vilarejos. Na terça-feira, centenas de moradores locais deixaram suas casas depois que helicópteros da Otan soltaram folhetos nos vilarejos avisando a população sobre o início da operação. Na semana passada, o Taleban colaborou com uma fuga em massa da prisão de Kandahar, libertando pelo menos 350 insurgentes.   A operação começou às 6 horas desta quarta (22h30 de terça em Brasília), na margem oeste do rio Arghanbad, que dá nome à região onde estão as cidades ocupadas, como "resposta a uma ameaça direta taleban contra o povo", informa a Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf, em inglês), sob comando da Otan. "Está claro que a cidade de Kandahar continua firmemente sob controle do governo afegão e de seu povo", afirmou em comunicado o tenente-coronel Dave Corbould, que comanda as tropas canadenses presentes em Kandahar.   Reino Unido   Quatro soldados britânicos morreram e um quinto ficou ferido na terça-feira por uma explosão na província de Helmand, no sul do Afeganistão, informou nesta quarta o Ministério da Defesa do Reino Unido. Os militares, cujas identidades não foram divulgadas, participavam de uma operação militar no leste de Lashkar Gah, na província de Helmand, quando o veículo no qual viajavam foi atingido por uma explosão, acrescentou a fonte.   Três soldados perderam a vida no local e o outro morreu ao chegar a Camp Bastion, o quartel britânico no Afeganistão, enquanto a condição do militar ferido no ataque é estável, disse a pasta da Defesa. Segundo o Ministério, um dos soldados mortos pertencia ao Corpo de Inteligência militar.   Com estas quatro vítimas, aumenta para 106 o número de soldados britânicos mortos no Afeganistão desde a invasão liderada pelos Estados Unidos em novembro de 2001. O primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, expressou o seu pesar pela morte dos quatro soldados e destacou a dedicação e o profissionalismo dos militares de seu país.   Estes soldados faziam "o trabalho mais perigoso nas circunstâncias mais difíceis", afirmou Brown em comunicado divulgado por sua residência oficial de Downing Street. Nos últimos quinze dias, nove soldados britânicos foram mortos no Afeganistão. Na segunda-feira, o governo britânico anunciou que um adicional de 230 soldados será enviado para o Afeganistão.   No entanto, o ministro de Relações Exteriores, David Miliband, defendeu a presença dos militares no Afeganistão. Em declarações à cadeia Sky News, Miliband disse que o Reino Unido está no país asiático por um "claro interesse nacional".   Matéria atualizada às 11h50.

Mais conteúdo sobre:
AfeganistãoTalebanOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.