Tropas de Assad usam crianças como escudo, afirma ONU

Segundo organização, tropas do governo torturam e matam menores; rebeldes os recrutam para o combate

JAMIL CHADE , CORRESPONDENTE / GENEBRA , O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2012 | 03h05

A ONU acusou ontem o governo sírio de usar crianças de até 8 anos como escudos humanos nos confrontos contra os rebeldes e alertou que centenas de menores estariam nas prisões do regime de Bashar Assad. Segundo a entidade, muitas foram torturadas e abusadas sexualmente. A ONU indicou também que a oposição estaria recrutando crianças para lutar contra Assad.

"Meninos e meninas de idades entre 8 e 13 anos estão sendo tirados de suas casas de maneira forçada e usados por soldados sírios como escudos humanos", alertou o relatório da ONU, elaborado com base em testemunhas e no trabalho dos observadores da entidade nas cidades do país. Segundo a acusação, muitos são "colocados na parte da frente dos ônibus que levam militares em ofensivas contra vilarejos".

Muitas vezes, as crianças do próprio vilarejo ou bairro são usadas como escudo para impedir a oposição de atacar. Ativistas de direitos humanos alertam que, desde o início dos conflitos, há 15 meses, 1,2 mil crianças já morreram, muitas alvo de massacres deliberados contra famílias inteiras. O número equivale a quase 10% de todas as mortes no conflito.

Na ONU, o governo sírio foi incluído na lista dos piores violadores de direitos de crianças. "Raramente vi tanta brutalidade contra crianças como na Síria, onde meninas e meninos são presos, torturados, assassinados e usados como escudos humanos", declarou Radhika Coomaraswamy, representante da ONU e autora do documento.

"Ficamos chocados. Matar e mutilar crianças em meio ao fogo cruzado é algo que vemos em diversos conflitos, mas torturar crianças presas é algo bastante incomum, que nós não costumamos ver em outros lugares", acrescentou.

Oposição. A ONU alerta também para o uso de crianças pelos rebeldes. Segundo o levantamento, indícios apontam que o Exército Sírio Livre coloca crianças em risco.

"Nós ouvimos, pela primeira vez, que crianças estão sendo recrutadas pelo Exército Sírio Livre, predominantemente em trabalhos médicos e em serviços, mas elas têm atuado na linha de frente", alertou Radhika.

Para a Human Rights Watch, a alegação de que rebeldes usam crianças é crível. A entidade pede uma ação do Conselho de Segurança da ONU contra a violência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.