Tropas de Israel reprimem protesto e prendem parlamentar sueco

Tropas israelensesreprimiram hoje centenas de pessoas protestando contra aconstrução de uma polêmica barreira de separação na Cisjordânia,deixando vários manifestantes e um soldado levemente feridos.Oito manifestantes, entre eles um parlamentar sueco, forampresos. O choque em Budrus, uma vila da Cisjordânia a sudeste de TelAviv perto da fronteira invisível com Israel, ocorreu menos deuma semana depois que soldados do Estado judeu abriram fogocontra um protesto semelhante, ferindo dois manifestantes. Israel está construindo uma barreira de 750 km na Cisjordânia,alegando que a estrutura de muros, arames farpados e fossos énecessária para impedir a entrada de atacantes suicidas noEstado judeu. Cerca de 25% da barreira já foi erguida. Palestinos afirmam que a barreira, que avança profundamentedentro da Cisjordânia, equivale ao confisco de terras que elesquerem para seu futuro Estado. Os EUA dizem que a rota dabarreira pode prejudicar futuras negociações de paz. AAssembléia Geral da ONU condenou sua construção. Uma fonte militar israelense disse que a violência explodiudepois que várias dezenas de manifestantes confrontaram umaequipe de construção que fazia trabalhos preparatórios para omuro. O porta-voz policial israelense Gil Kleiman disse que quatroisraelenses e quatro estrangeiros, entre eles o parlamentarsueco Gustav Fridolin do Partido Verde, foram presos porentrarem numa zona militar fechada. Os israelenses devem ser processados e os estrangeiros,deportados, acrescentou Kleiman. Um participante do protesto, Ayed Morar, afirmou que osmoradores temem que a barreira irá isolar completamente novecomunidades da área. "Eles estão tentando destruir nossas vidas. Não podemossobreviver com o muro", denunciou. "Não podemos viver em nossasvilas sem hospitais, sem empregos, sem segurança, semuniversidades, sem vidas civis".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.