Tropas de Kiev cercam cidades no leste e separatistas aumentam barricadas

Há ocupações de prédios públicos em ao menos nove cidades da região que quer se unir à Rússia

O Estado de S. Paulo,

15 de abril de 2014 | 10h19

KIEV - Manifestantes pró-Rússia montaram novas barricadas em prédios públicos ocupados em várias cidades do leste da Ucrânia nesta terça-feira, 15, enquanto tropas de Kiev começaram a cercar alguns pontos da região. O governo da Rússia alertou para um aumento do risco de uma guerra civil no país.

Apesar dos temores de uma ação armada de tropas de Kiev, o clima no leste ucraniano era de calma. Há ocupações de prédios públicos em ao menos nove cidades da região. Muitos dos manifestantes estão armados e são organizados.

Em Kramatorsk, no entanto, separatistas pró-russos entregaram voluntariamente o quartel-general da polícia na cidade de Kramatorsk, que foi ocupado por militantes armados no sábado.

"Eles saíram por conta própria", disse à Reuters Igor Dyomin, porta-voz da polícia da região de Donetsk.

O presidente interino, Oleksander Turchinov, insistiu que a operação "antiterrorista" começou na região de Donetsk (leste), mas disse que ela acontecerá em etapas, "de forma comedida".

Em meio à sua pior crise desde a Guerra Fria, os líderes da Rússia e dos EUA pediramempenho para evitar mais violência.

O primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, fez uma avaliação sombria da situação após mais duas mortes no domingo, quando o governo da Ucrânia tentou sem sucesso retomar o controle de Slaviansk, uma das cerca de dez cidades onde separatistas ocuparam prédios públicos.

"O sangue foi novamente derramado na Ucrânia. O país está à beira de uma guerra civil", disse ele na sua página do Facebook.

Turchinov disse que a ofensiva, anunciada no sábado, finalmente começou durante a noite, no norte da região de Donetsk. "Mas ela ocorrerá em estágios, responsavelmente, de forma comedida. Mais uma vez salientou: o objetivo dessas operações é defender os cidadãos da Ucrânia", disse ele ao Parlamento. / REUTERS


 

Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaRússiaDonetsk

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.