Reuters
Reuters

Tropas do governo da Síria e rebeldes travam intensos combates em Damasco

Há registro de várias explosões na capital e arredores; crise no país já causou 25 mil mortes

EFE,

20 de outubro de 2012 | 09h27

CAIRO - Tropas do do governo da Síria e opositores ao regime de Bashar Assad travam duros confrontos neste sábado, 20, na cidade e arredores de Damasco, segundo informações dos rebeldes. Os combates avançam ainda pelas províncias setentrionais de Idlib e Aleppo.

De acordo com comunicado do Observatório Sírio de Direitos Humanos, os conflitos também chega ao bairro de Yuber, no sul de Damasco. Há registro de várias explosões em outras áreas da capital.

Os Comitês de Coordenação Local confirmaram as informações e acrescentaram que a cidade de Zamalka, nos arredores de Damasco, está sendo submetida a um intenso bombardeio por parte de tanques do Exército, que tentou entrar sem sucesso na região controlada pelos insurgentes.

Em Idlib, perto da fronteira com a Turquia, as forças leais ao presidente sírio, Bashar Assad, continuam atacando com aviões de combate as localidades vizinhas de Maarat al Nuaman e Maar Shamsha.

A menos de um quilômetro de distância de Maarat al Nuaman se encontra o quartel militar de Wadi Deid, que há vários dias está cercado pelos insurgentes e que é um dos últimos redutos das tropas governamentais na região.

Os grupos opositores afirmaram também que o Exército e os rebeldes lutam ao sul de Maarat al Nuaman, concretamente na rota que une as cidades de Aleppo e Damasco, depois que os rebeldes atacaram um comboio militar.

Nenhuma destas informações pôde ser verificada de forma independente devido às restrições impostas pelas autoridades sírias aos jornalistas.

A crise que a Síria vive desde março de 2011 causou até o momento 25 mil mortes, enquanto 2,5 milhões de pessoas precisam de ajuda humanitária e mais de 250 mil tiveram que refugiar-se nos países vizinhos, segundo números das Nações Unidas.

Tudo o que sabemos sobre:
Siria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.