Tropas do governo matam 20 membros da Al Qaeda no Iêmen

Mortes ocorrem cinco dias depois de 83 soldados e policiais terem morrido em consequência de um atentado perpetrado pela Al Qaeda em Sana.

Efe,

26 Maio 2012 | 06h55

SANA - Pelo menos 20 supostos membros da Al Qaeda - a maioria deles de nacionalidade somali - e dois soldados do Exército iemenita morreram neste sábado, 26, em um ataque lançado pelas tropas governamentais contra posições da organização terrorista na cidade de Zinyibar, no sul do país.

 

Segundo informou o Ministério da Defesa iemenita, as forças da Brigada 25 retomaram o controle das zonas de Al Meraqad e Al Meshqasa, no noroeste de Zinyibar. O general Mohammed Abdallah al-Somli explicou que "unidades da brigada produziram duros golpes contra os terroristas, lhes infligindo grandes perdas em vidas e material". "Mais de 20 terroristas, a maioria de nacionalidade somali, e dois soldados morreram, enquanto outros quatro militares ficaram feridos" no ataque às duas posições da Al Qaeda, ressaltou o alto comando militar. Além disso, Somli destacou que suas forças apreenderam fuzis, foguetes, lança-granadas e outros tipos de armas, além de uma grande quantidade de munição.

 

O Exército iemenita lançou em 12 de maio uma ampla operação militar para expulsar os membros da Al Qaeda de Zinyibar, capital da província de Abian, e da cidade Yaar, localidades que estão há quase um ano em poder dos "jihadistas". Yaar, localizada cerca de 30 quilômetros ao norte de Zinyibar, é o maior reduto da Al Qaeda e de seu grupo vinculado Ansar al-Sharia (Seguidores da Lei Islâmica). Esses dois grupos, que aproveitaram a instabilidade no Iêmen após os protestos que levaram à renúncia do ex-presidente Ali Abdullah Saleh, declararam a zona que controlam um "emirado islâmico". A morte desses 20 terroristas hoje acontece cinco dias depois de 83 soldados e policiais terem morrido em consequência de um atentado perpetrado pela Al Qaeda em Sana.

Mais conteúdo sobre:
Iêmen Al Qaeda terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.