Tropas dos EUA começam a deixar o Afeganistão, dizem militares

Em junho, Barack Obama anunciou a retirada de 33 mil soldados americanos do país; 650 já saíram

AE, Agência Estado

15 de julho de 2011 | 16h00

Soldados americanos embarcam em avião militar ao deixar o Afeganistão, na quinta-feira

 

CABUL - Os primeiros soldados norte-americanos que deverão deixar o Afeganistão neste ano já começaram a sair do país, informaram nesta sexta-feira, 15, militares dos Estados Unidos. Um grupo de 650 soldados embarcou em aviões que deixaram a base na província de Parwan na noite de quarta-feira. Eles não serão substituídos por novas unidades.

 

Em junho, o presidente americano Barack Obama anunciou que 33 mil soldados deixariam o Afeganistão até o verão (no hemisfério norte) de 2012, dentro de pouco mais de um ano. Com a retirada anunciada por Obama, as tropas americanas se reduzirão a 65 mil soldados no Afeganistão e chegará ao fim, efetivamente, um reforço militar ordenado em 2009.

 

"É certo que esses soldados são os primeiros a deixarem o Afeganistão sem serem substituídos por uma nova equipe, desde o anúncio feito pelo presidente", disse o major Michael Wunn, do escritório de imprensa do exército americano.

 

Oficiais dos EUA disseram que um total de 800 soldados, de duas unidades do exército, partirão neste mês. As tropas que partiram na quarta-feira são do 113º regimento de Cavalaria e do 1º esquadrão da Guarda Nacional do Estado de Iowa. Atualmente, existem cerca de 150 mil soldados estrangeiros no Afeganistão, dos quais 99 mil são norte-americanos.

 

A velocidade da retirada tem sido bastante criticada em Washington. Os democratas querem que a retirada seja ainda mais acelerada, mas os republicanos reclamaram que o movimento ocorre de uma maneira muito rápida. Oficiais graduados do Pentágono se sentiram esnobados, porque muitos dos seus conselhos foram ignorados.

 

As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUAretiradasoldados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.