Tropas dos EUA invadem mesquitas e prendem clérigo sunita

Tropas americanas invadiram hoje sete mesquitas em Ramadi e prenderam um religioso sunita. De acordo com o Exército americano, os locais eram suspeitos de esconder terroristas. Cinco pessoas morreram na cidade após troca de tiros com soldados americanos. A ação duramente criticada por líderes religiosos locais, faz parte de uma grande ofensiva empreendida pelo Exército dos EUA no chamado triângulo sunita. Uma mesquita havia sido bombardeada ontem na cidade próxima de Kit. Hoje, a leste de Qaim, insurgentes atacaram um posto da Guarda Nacional Iraquiana. Fontes hospitalares informaram que 20 pessoas foram mortas nos confrontos. Em Faluja, a oeste de Bagdá, a aviação americana bombardeou na madrugada um restaurante popular, alegando que ali se reuniam membros do grupo do extremista jordaniano Abu Musab al-Zarqawi. Mas o diretor do hospital local, Rafeh Hayad, disse que os quatro mortos e seis feridos no ataque eram empregados do estabelecimento. A edificação ficou completamente destruída e várias lojas ao lado ficaram danificadas. À noite houve confrontos entre fuzileiros navais dos EUA e rebeldes iraquianos na periferia de Faluja. Cinco iraquianos morreram, de acordo com os militares e uma fonte médica. Em Bagdá, membros da milícia xiita do clérigo Muqtada al Sadr fizeram fila para entregar suas armas às autoridades, como parte de um acordo para pacificar o bairro de Cidade Sadr.

Agencia Estado,

12 Outubro 2004 | 19h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.