Tropas dos EUA libertam 24 crianças desnutridas de orfanato

Crianças estavam nuas atadas a camas no escuro e estavam tão fracas que nao podiam ficar em pé; era possível "contar todos os ossos do corpo", diz militar

Agencia Estado

21 Junho 2007 | 13h08

Soldados americanos ajudaram a libertar 24 crianças encontradas em condições de desnutrição e maus-tratos em um orfanato de Bagdá, informaram nesta quarta-feira, 20, as Forças Armadas dos Estados Unidos em comunicado.Na nota, divulgada em Bagdá e Washington, os comandantes americanos afirmaram que os menores, de idade entre 3 e 15 anos, "estavam nus em um quarto escuro sem janelas"."Muitas das crianças estavam amarradas a suas camas e estavam tão fracas que não podiam ficar em pé quando foram libertadas", disseram. Por outro lado, um quarto ao lado estava trancado e cheio de roupas e comida que deviam ter sido dadas às crianças, afirma o comunicado.Os soldados iraquianos e americanos encontraram os órfãos em um instituto de Al-Hanan, no noroeste de Bagdá, no dia 10. Eles foram guiados por membros de uma associação local e levaram os menores ao hospital. Desde então, as crianças estão se recuperando e foram levadas para um orfanato feminino próximo, segundo o documento.Imagens divulgadas pela rede de televisão CBS News mostram um grupo de crianças nuas e fracas, amontoadas sobre várias camas. Em entrevista à CBS, o sargento americano Michael Beale afirmou que era possível "contar todos os ossos do corpo" das crianças, "de tão magras que estavam".Beale disse que elas "não tinham nenhuma energia para se movimentar, nem nenhuma expressão no rosto". O também sargento Michael Gibson disse à rede que, quando entraram no orfanato, os soldados pensaram que os órfãos "estavam todos mortos, e atiraram uma bola de basquete para tentar atrair sua atenção"."Uma das crianças levantou a cabeça, girou-a um pouco, olhou e voltou a ficar como estava", afirmou.O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, prometeu que analisará o caso e que os responsáveis serão punidos. Os funcionários do orfanato desapareceram, mas dois seguranças foram detidos, de acordo com a CBS.Corpos torturadosAs autoridades iraquianas encontraram também nesta quarta 29 cadáveres com sinais de tortura e marcas de tiros em diferentes partes do corpo em vários bairros de Bagdá, informaram fontes policiais. Segundo informações, os corpos, nenhum deles identificado, estavam com as mãos amarradas e os olhos vendados.A descoberta de cadáveres se tornou uma rotina no Iraque. O governo do país tem feito intensos esforços para pôr fim a esses assassinatos, que costumam ter motivos sectários (xiitas contra sunitas ou vice-versa).A onda de crimes começou como vingança, após o atentado, em fevereiro de 2006, contra um grande santuário xiita na cidade sunita de Samarra, 100 quilômetros ao norte de Bagdá. Desde então, dezenas de pessoas, tanto xiitas como sunitas, são raptadas e, mais tarde, encontradas mortas nas ruas de Bagdá e de outras cidades.Os crimes continuam acontecendo, apesar de ainda continuar em vigor um plano de segurança implementado em 14 de fevereiro para acabar com a violência em Bagdá e seus arredores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.