Tropas dos EUA mataram jornalista britânico no Iraque, diz juiz

Tropas americanas mataram o veterano jornalista da rede britânica de televisão "ITN" Terry Lloyd, em 22 de março de 2003, no sul do Iraque, concluiu hoje o juiz responsável pelo caso.Após oito dias de audiências nas quais testemunhas do incidente prestaram depoimento, o juiz adjunto Andrew Walker opinou nesta sexta-feira, 13, que os soldados americanos agiram fora da lei ao disparar contra Lloyd quando este já tinha sido ferido e estava sendo retirado em um veículo civil.O repórter, de 50 anos, foi assassinado junto a dois colegas, o tradutor de origem libanesa Hussein Osman e o cinegrafista francês Fred Nerac - cujo corpo ainda não foi recuperado - perto da ponteShatt, nos arredores da cidade de Basra.Lloyd, que viajava com uma unidade de televisão independente das Forças Armadas, recebeu um primeiro disparo ao ficar na linha de fogo entre iraquianos e americanos. Foi morto com um tiro na cabeça pelas tropas dos EUA quando estava sendo retirado em um microônibus para receber atendimento médico."Não tenho dúvidas de que foi um ato ilegal disparar contra esse microônibus, já que não representava ameaça para os soldados. Era um veículo civil e estava em retirada", ressaltou o juiz.O juiz Walker anunciou que enviará suas conclusões à Promotoria para que decida se quer apresentar acusações contra os supostos autores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.