Tropas dos EUA travam feroz combate no Afeganistão

Soldados dos EUA e seus aliados travavam nesta terça-feira um feroz combate com rebeldes afegãos leais ao senhor da guerra local Gulbudin Hekmatyar, na mais ampla batalha em nove meses, informou o Exército americano. Os rebeldes pertencem ao movimento Hezb-e- Islami, braço militar do movimento de Hekmatyar, disse o porta-voz militar americano Roger King em declarações emitidas na base aérea de Baghram.Pelo menos 18 rebeldes morreram nos combates, iniciados na segunda-feira nas montanhas do sudeste do Afeganistão, informou o Exército, que de início não relatou baixas entre osmilitares da coalizão. "Trata-se da maior concentração de forças inimigas desde a Operação Anaconda", disse King. A Operação Anaconda, entre 2 e 18 de março passado, teve como objetivo eliminar esconderijos dos talebans e da Al-Qaeda na zona montanhosa do sudeste do Afeganistão. Da ação participaram mais de 2.000 soldados da coalizão aliada. Sete militares americanos morreram na ocasião. King disse que cerca de 350 soldados estão participando dos combates, entre eles tropas da 82ª Divisão Aerotransportada,forças especiais e milícias afegãs aliadas. Informou-se que aproximadamente 80 rebeldes estão envolvidos na batalha. Bombardeiros B-1 lançaram 19 bombas de 900 quilos sobre posições inimigas, entre as quais grutas profundas, disse King.Caças F-16 pilotados por aliados europeus não identificadoslançaram duas bombas de 225 quilos, enquanto aviões equipadoscom artilharia AC-130 e helicópteros Apache AH-64 disparavamseus canhões e mísseis sobre o inimigo, acrescentou King. "Tivemos informes sobre alguns contingentes de homens armados e grupos de pessoas tentando reunir-se para atacar a coalizão. Tentamos ativamente realizar trabalhos de inteligência que nos permitiram obter sua localização precisa e ontem (segunda-feira) nós o conseguimos". Os combates, a 25 km ao norte Spinboldak e perto da fronteira com o Paquistão, começaram com um pequeno tiroteio entre atacantes armados e elementos das forças especiais americanas e seus aliados afegãos, que estão reconstruindo uma fortificação com muros de tijolos. Um dos atacantes foi morto, outro ferido e um outro detido, disse King. Interrogado, o prisioneiro disse que um grupo importante de homens armados se havia reunido nas montanhas próximas, acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.