Andrei Netto/AE
Andrei Netto/AE

Tropas e rebeldes sírios devem se enfrentar nos próximos dias em Alepo

Cidade está perto de ser cercada pelas tropas de Bashar Assad e de uma grande batalha

Andrei Netto, enviado especial a Alepo,

27 de julho de 2012 | 11h07

ALEPO - Cerca de 15 mil homens estão reunidos em toda a província que Alepo pertence nesta sexta-feira, 27, para defender 60% da cidade que os rebeldes dizem ter conquistado nos últimos seis dias, quando a rebelião começou.

Veja também:

linkTurquia ameaça agir contra curdos em território sírio

linkEUA dizem que Síria parece estar planejando massacre em Alepo

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

De outra parte, continua a mobilização de tropas aparentemente vindas de Damasco. São informações que não são completamente verificáveis no momento, até porque o regime não está revelando dados sobre o deslocamento de suas tropas.

O que se pode dizer de Alepo no dia de hoje é que houve uma manifestação pública, uma passeata logo após a oração da manhã, pois estamos em período de Ramadan. Ou seja, eles desafiaram o poder de Bashar Assad. Segundo o comando rebelde, eles estão se organizando para fazer uma ofensiva na tentativa de capturar os outros 40% da cidade que estariam no poder do regime, nos próximos dias.

Ambos consideram Alepo crucial para a sobrevivência do regime. Os rebeldes têm absoluta convicção que se tomarem Alepo, que é o centro econômico do país e a segunda metrópole da Síria, eles estariam muito mais próximos de derrubar o regime de Bashar Assad. Já o regime considera que se os rebeldes tomarem de fato uma cidade importante como Alepo eles estarão avançando em direção ao norte do país e abrindo uma fronte que poderia avançar em direção a Damasco, como aconteceu na Líbia, por exemplo.

A situação em Alepo é de espera, de expectativa, de medo e de temor. Helicópteros sobrevoam algumas regiões da cidade, mas por enquanto é uma guerra fria. Alepo está perto de ser cercada pelas tropas de Bashar Assad e perto de uma grande batalha. Todos aqui aguardam por esse momento.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.