Lucas Jackson/Reuters
Lucas Jackson/Reuters

Tropas enviadas a Washington para conter protestos testam positivo para covid-19

Vários policiais e oficiais da Guarda Nacional agiram nos protestos sem máscaras. Entre os manifestantes, nem todos usavam esse equipamento de proteção

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2020 | 22h08

WASHINGTON - Integrantes da Guarda Nacional da capital dos Estados Unidos testaram positivo para o coronavírus após serem enviados para conter protestos recentes em Washington contra racismo e violência policial, informou a força nesta terça-feira, 9. 

"Podemos confirmar que temos testes positivos de covid-19 entre as fileiras da Guarda Nacional em Washington", afirmou o tenente-coronel Brooke Davis, porta-voz da Guarda Nacional do Distrito de Columbia, onde fica a cidade de Washington. 

Davis afirmou que não poderia divulgar o número de diagnósticos positivos por razões de "segurança operacional", e que os casos foram registrados após a mobilização de 1.700 membros desse órgão por conta dos protestos pela morte do afro-americano George Floyd nas mãos de um policial branco em Minneapolis. 

O deslocamento da  força de segurança foi ordenada pela prefeita Muriel Bowser e depois pelo governo federal para manter a ordem após os tumultos e saques que ocorreram durante os protestos. 

A ação da Guarda não foi isenta de controvérsias, especialmente pelo uso de gás lacrimogêneo para dispersar uma manifestação pacífica em frente à Casa Branca, para que o presidente Donald Trump pudesse ir a uma igreja perto da sede do governo onde foi fotografado com uma Bíblia na mão. 

Para Entender

O caso George Floyd

Homem negro de 46 anos foi morto por policial branco durante abordagem; desencadeados pelo assassinato, protestos contra o racismo e a violência policial eclodiram nos EUA e no mundo

As tropas foram examinadas antes e depois da mobilização, explicou Davis. "O pessoal da Guarda Nacional pratica o distanciamento social e as medidas sobre o uso de EPI (equipamento de proteção individual) foram mantidas em todos os casos em que eram praticamente aplicáveis", afirmou Davis. 

Vários policiais e oficiais da Guarda Nacional agiram nos protestos sem máscaras. Entre os manifestantes, nem todos usavam esse equipamento de proteção.

A covid-19 causou mais de 110 mil mortes nos Estados Unidos, onde são registrados quase 2 milhões de casos, de um total mundial de 7,2 milhões./AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.