Tropas estão divididas sobre envio de mais soldados ao Iraque

O secretário da Defesa dos Estados Unidos Robert Gates disse que comandantes que estão no Iraque desconfiam sobre os motivos da possibilidade de se aumentar o número de tropas no Iraque, mas algumas tropas se disseram favoráveis ao envio de mais soldados. Gates está no Iraque conversando com militares sobre as opções para acabar com a violência na região, enquanto o presidente George W. Bush avalia se enviará ou não mais tropas ao país. A viagem de Gate só foi anunciada após sua chegada a Bagdá, na manhã da quarta-feira. Originalmente, a nova estratégia que será utilizada no Iraque seria anunciada antes do Natal, mas ela será montada apenas após o retorno de Gates a Washington.Pressionado para mudar a estratégia militar dos Estados Unidos, o presidente Bush afirmou na quarta que ainda está avaliando a possibilidade de ampliar temporariamente o número de soldados no Iraque. A medida seria um último esforço para controlar a crescente violência, preparando o caminho para uma retirada. "O secretário Gates será uma importante voz na revisão da estratégica no Iraque", disse Bush a jornalistas na quarta. Gates disse que o envio de milhares de soldados norte-americanos aos campos de batalha poderia fazer com que os iraquianos diminuíssem seus esforços para assumir o controle do país. "Comandantes daqui já expressaram esta preocupação", disse ele. O secretário também disse que um aumento temporário de tropas no Iraque poderia trazer apenas uma temporária pausa na violência da país. Porém, alguns soldados disseram nesta quinta que força extra poderia ajudar. "Eu acho que precisamos continuar fazendo apenas o que estamos fazendo", disse o sargento Jason T. Green. "Eu realmente acho que precisamos de mais tropas aqui. Com mais presença em terra, mais tropas poderiam conter os milicianos até que o exército do Iraque esteja treinado".Uma opção seria o envio de cinco ou mais tropas para combater as brigadas. O general George Casey, que se encontrou com Gates, disse que apóia o envio de novas tropas somente se houver uma proposta específica para elas. Já o general John Abizaid disse que os militares estão "olhando para todas as possibilidades que possam deixar Bagdá mais segura". Bush também está considerando a remoção das tropas de combate no Iraque, acelerar o treinamento e equipar as forças iraquianas. Desde o início da guerra, os Estados Unidos já perderam mais de 2.950 soldados. Mas a violência entre sunitas e xiitas continua. O Pentágono pediu ao Congresso a liberação de mais US$ 99,7 bilhões para manter suas ações de guerra no Iraque e no Afeganistão. Nos últimos quatro anos, a guerra no Iraque já custou aos cofres americanos US$ 350 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.