Tropas israelenses matam invasor vindo da Síria

Tropas israelenses dispararam nesta quarta-feira contra um pequeno grupo de homens armados que cruzou a fronteira com a Síria, matando um deles e detendo outro, informou o Exército. Um terceiro escapou para a Síria, informou a rádio Israel. Foi um raro incidente de violência na fronteira sírio-israelense, apesar de ambos os países serem inimigos. A última infiltração de que se tem notícia ocorreu em setembro de 2001, quando soldados de Israel encontraram uma mochila cheia de armas e explosivos do lado israelense da fronteira, aparentemente infiltrada em Israel a partir da Síria. O tenente-general Moshé Yaalon, chefe de Estado Maior do Exército, disse que se desconhece a identidade dos invasores. "Uma patrulha da Infantaria israelense que percorria a fronteira em nosso território foi alvo de disparos", disse Yaalon a jornalistas enquanto acompanhava o primeiro-ministro Ariel Sharon em uma visita à fronteira com a Cisjordânia. "Devolveu o fogo e matou um homem armado; também prendeu outro, que se rendeu". Os disparos ocorreram a leste do Mar da Galiléia, na parte sul das Colinas de Golan. As tropas israelenses também foram vítimas de disparos com armas leves feitos por atacantes do lado sírio da fronteira, mas não devolveram os tiros, informaram as fontes militares. Enquanto isso, Miguel Moratinos, enviado da União Européia, disse que pressionará Israel para que revogue uma decisão de proibir funcionários palestinos de viajarem a Londres para conversar sobre reformas políticas palestinas. Israel tomou a decisão em represália à morte de 22 pessoas em dois ataques suicidas do último domingo, em Tel-Aviv.Após reunir-se com o líder palestino Yasser Arafat na localidade cisjordaniana de Ramallah, Moratinos disse que a União Européia havia solicitado à Autoridade Palestina que "declarasse um cessar-fogo total e incondicional, para acabar com este círculo vicioso de violência sem sentido".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.