Tropas leais a Kadafi retomam cidade e bombardeiam leste da Líbia

Ataque a Benghazi é repelido, mas bombas são lançadas em Ajdabiya

Agência Estado

28 Fevereiro 2011 | 16h37

BENGHAZI - Pilotos leais ao líder líbio, Muamar Kadafi, lançaram uma contraofensiva aérea no território controlado pelos insurgentes no leste do país, de acordo com comandantes militares amotinados em Benghazi, segunda maior cidade da Llíbia. A cidade de Ras Lanuf, que fica na metade do caminho entre a capital Trípoli e Benghazi, foi retomada por forças leais a Kadafi, segundo um oficial militar rebelado.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Os mil e um nomes de Kadafi

lista Análise:  Revoluções marcam o o retrocesso da Al-Qaeda

 

A aviação militar de Kadafi tentou bombardear Benghazi nesta segunda-feira, 28, mas foi repelida por baterias antiaéreas dos insurgentes e forçada a se retirar, disse o coronel Tareq Saad Hussein, um dos militares amotinados do comitê de assuntos de defesa em Benghazi. "Eu espero um outro ataque com um número maior de aviões, mas isso não me preocupa, tudo aqui está sob controle", afirmou.

 

Os aviões de Kadafi voltaram para o oeste da Líbia, mas antes jogaram suas bombas em Ajdabiya, uma cidade controlada pelos insurgentes, cerca de 200 quilômetros distante de Benghazi. Os aviões bombardearam depósitos de munições, afirmou Hussein. Não existem informações sobre vítimas.

 

Hussein disse que a cidade de Ras Lanuf, que havia sido tomada pelos insurgentes no final da semana passada, foi reconquistada por cerca de 150 soldados leais a Kadafi no domingo. Ras Lanuf tem uma refinaria de petróleo.

 

Cerca de 3 mil combatentes leais a Kadafi partiram da fortaleza de Sebha, no deserto, para reforçar a guarnição de Sirte, que é a cidade natal do governante líbio e fica na metade do caminho entre a capital Trípoli e a sede dos insurgentes, Benghazi. As informações são da Dow Jones.

 

Saiba mais:

mais imagens Imagens dos protestos e enfrentamentos na Líbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.