Tropas rebeldes entram em Monróvia

Tropas rebeldes avançavam hoje por Monróvia depois de terem cruzado uma ponte que marca o limite da capital liberiana. O chefe militar da Libéria, general Benjamin Yeaten, afirmou que as forças rebeldes cruzaram a Ponte St. Paul ao meio-dia (horário local) e avançavam em direção ao principal porto da cidade. Esta foi a terceira vez desde o mês passado que os rebeldes cruzaram as fronteiras da cidade. Em ocasiões anteriores, eles recuaram devido à resistência e à forte pressão internacional. Mais cedo, depois que várias explosões estremeceram o limite noroeste de Monróvia, milhares de aterrorizados residentes fugiram para o centro da capital liberiana em busca de um local mais seguro. O ministro liberiano de Informação, Reginald Goodrich, perguntou desgostoso onde se encontra a força internacional de paz que fora prometida ao país. Esta força de pacificação chegaria em breve, e o presidente dos EUA, George W. Bush, contempla a possibilidade de enviar tropas de seu país à Libéria, país formado por ex-escravos americanos libertados no século XIX. "Todos falam em enviar tropas, mas ninguém age. Quem é o culpado por este atraso? Elas (as tropas) deveriam estar aqui", lamentou Goodrich. "Todos estes (combates) indicam que os LURD (o movimento rebelde Liberianos Unidos pela Reconciliação e a Democracia) não podem ser levados a sério. (O presidente Charles) Taylor não é o problema", acrescentou o ministro. Taylor vem sendo responsabilizado por boa parte dos combates desde o início de sua ascensão ao poder em 1989. Os LURD e os funcionários do governo se acusam mutuamente pela mais recente onda de violência.

Agencia Estado,

19 Julho 2003 | 13h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.