Tropas sírias bombardeiam Homs nesta 2ª feira

Tropas sírias bombardearam na manhã desta segunda-feira o distrito de Khaldiyeh, na cidade de Homs, após uma noite de protestos em todo o país contra o regime do presidente Bashar Assad, informaram ativistas e monitores.

AE, Agência Estado

26 de março de 2012 | 11h37

Khaldiyeh, que é atacado há uma semana com o objetivo de expulsar os opositores do governo, foi atingido por morteiros e provocaram incêndios em residências do bairro, informou o grupo ativista Comitês de Coordenação Locais (CCL).

Cinco pessoas ficaram seriamente feridas durante o ataque, segundo o Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, grupo sediado em Londres.

Na cidade de Deir el-Zor, forças de segurança realizaram incursões durante a madrugada e detiveram 16 pessoas, informou o CCL em comunicado, recebido pela agência France Presse em Beirute, no Líbano.

Disparos foram ouvidos enquanto forças de segurança realizavam operações semelhantes na cidade de Saraqeb, na província de Idlib, segundo relatos de ativistas. Também foram realizadas incursões em vilas da província de Derra, sul do país, berço do levante popular contra o regime de Assad, que acabou por se espalhar por todo o país.

As operações de segurança do governo foram realizadas após uma noite de protestos contra o regime de Assad.

Na cidade de Hama, região central do país, muitos marcharam por vários bairros na noite de domingo para denunciar as incursões realizadas durante o dia por tropas, que procuravam oponentes do governo.

A cidade de Qalaat al-Madiq, na província de Hama, também foi atacada e vários moradores fugiram do local.

Manifestantes também se reuniram no interior e nas proximidades de Damasco e Aleppo, a segunda maior cidade da Síria, em apoio ao Exército Livre Sírio - composto por desertores do Exército de Assad - e para exigir a queda do regime do presidente. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaataquesHoms

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.