Tropas sírias matam 20 civis em Homs, afirmam ativistas

Ataques ocorrem um dia depois de Damasco aceitar acordo pelo fim da violência no país

Agência Estado

03 de novembro de 2011 | 15h57

NICÓSIA - Tropas sírias mataram 20 pessoas na cidade de Homs, no centro do país, nesta quinta-feira, 3, informou um grupo pelos direitos humanos, um dia após o regime de Damasco concordar com um plano mediado pela Liga Árabe para acabar com a violência.

 

Veja também:

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

O acordo anunciado na quarta com a Liga Árabe determina que o governo sírio retire os soldados das cidades, liberte todos os presos políticos e comece o diálogo com a oposição em duas semanas. Ativistas disseram que o governo do presidente sírio Bashar Assad tenta ganhar tempo com o acordo da Liga Árabe, enquanto continua a massacrar civis.

 

A União Europeia fez mais um apelo ao governo sírio nesta quinta-feira para que o regime de Damasco implemente "completa e rapidamente" o plano da Liga Árabe para acabar com a violência. "Os esforços da Liga Árabe para acabar com a violência são bem-vindos. Eu agora espero que o governo sírio se atenha aos compromissos que firmou com a Liga e acabe completa e rapidamente com a violência", disse o comunicado assinado por Catherine Ashton, comissária de política externa da UE.

 

Quase todas as pessoas foram mortas nesta quinta-feira nos bairros de Baba Amr e Al-Inshaat, onde ainda são ouvidos tiros, informou o grupo britânico Observatório Sírio pelos Direitos Humanos. Segundo o grupo, soldados usaram metralhadoras para atirar na multidão. Não foi possível confirmar esses relatos de maneira independente porque o acesso da imprensa internacional à Síria foi vetado pelo regime de Damasco.

 

"O regime de Assad é conhecido por manobrar e ganhar tempo, enquanto faz promessas e não cumpre nenhuma delas", disse Najib al-Ghadban, ativista sírio que vive nos Estados Unidos e faz parte do Conselho Nacional Sírio. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.