AP
AP

Tropas sírias mataram 220 pessoas nesta quinta-feira, diz oposição

Observatório Sírio pelos Direitos Humanos fala em 100 mortos durante ataque à vila de Taramseh

estadão.com.br,

12 de julho de 2012 | 20h33

BEIRUTE - Tropas do governo de Bashar Assad mataram 220 pessoas nesta quinta-feira, 12, na vila de Taramseh, segundo ativistas de oposição. "Mais de 220 pessoas morreram hoje em Taramseh. Elas morreram pelo bombardeio de tanques e helicópteros, por disparos de artilharia e por execuções sumárias", disse o Conselho da Liderança da Revolução em Hama, por meio de uma nota divulgada nesta noite.

Veja também:

link Embaixador sírio desertor pede ataque contra forças de Assad

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Se esse número for confirmado, o massacre será o pior em 16 meses de conflito na Síria, onde Assad enfrenta uma rebelião cada vez mais agressiva, sem que a diplomacia internacional consiga acalmar a situação.O ativista local Fadi Sameh disse que deixou a aldeia antes do suposto massacre, mas que continuou em contato com os moradores. "Parece que os milicianos alauítas de aldeias vizinhas apareceram em Taramseh depois que seus defensores rebeldes se retiraram, e começaram a matar pessoas. Casas inteiras foram destruídas e queimadas por causa dos bombardeios."

"Cada família na cidade parece ter tido membros mortos. Temos os nomes de homens, mulheres e crianças de incontáveis famílias", afirmou ele, acrescentando que os corpos foram levados a uma mesquita.

Outro ativista local, chamado Ahmed, disse que "até agora temos 20 vítimas registradas com nomes e 60 corpos numa mesquita". "Há mais corpos nos campos, corpos nos rios e em casas ... as pessoas estavam tentando fugir desde a hora que o bombardeio começou, e famílias inteiras foram mortas tentando escapar."

Não foi possível verificar esses relatos de forma independente. As autoridades sírias restringem severamente as atividades de jornalistas independentes.

Segundo o Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, pelo menos 100 pessoas morreram durante os ataques à vila de Taramseh. "Tropas do governo bombardearam a vila usando tanques e helicópteros", disse Rami Abdel Rahman, diretor do Observatório, explicando que os corpos de 30 moradores já haviam sido identificados após o ataque.

Segundo a agência estatal de notícias Sana, ocorreram confrontos entre o Exército e um grupo terrorista armado na vila. A agência não fez menção ao massacre ou divulgou o número total de mortos, apenas informou que "houve grandes perdas entre os terroristas" e que três soldados foram mortos.

Com AFP, AP e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.