Trote de falso chanceler indiano colocou Paquistão em alerta

Jornal afirma que homem se passando pelo ministro ameaçou atacar o vizinho após os atentados em Mumbai

Efe,

06 de dezembro de 2008 | 11h03

Um telefonema de um homem que se fez passar pelo ministro de Relações Exteriores da Índia, Pranab Mukherjee, levou o presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, a decretar "alerta máximo" contra um possível ataque indiano no fim de semana passado, informou neste sábado, 6, o jornal paquistanês Dawn. A chamada telefônica, que deixou líderes mundiais preocupados, ainda "está sendo investigada". Até o momento, ninguém sabe se ela foi feita por alguém do Ministério indiano ou de dentro do Paquistão. O telefonema foi dado duas sextas-feiras atrás, em 28 de novembro. Durante a conversa, o suposto chanceler ameaçou lançar uma ação militar contra o Paquistão se Zardari não atuasse imediatamente para encontrar os responsáveis pelos ataques de Mumbai, que mataram 188 pessoas. Devido à tensão do momento, provocada pelas acusações da Índia de que paquistaneses estariam por trás dos atentados, a equipe do presidente do Paquistão não seguiu o protocolo habitual de verificação de chamadas. Em vez disso, logo após o telefonema, o governo paquistanês deu início a uma intensa atividade diplomática e de segurança. Segundo o jornal, o primeiro-ministro do país, Yousef Raza Guilani, foi instruído a voltar imediatamente de Lahore para Islamabad. Além disso, um avião foi enviado à Índia para buscar o ministro de Relações Exteriores do Paquistão, Shah Mehmood Qureshi, que estava visitando a nação vizinha. O telefonema também fez o Exército paquistanês informar que estava cogitando deslocar dezenas de milhares de soldados da fronteira com o Afeganistão para a indiana, algo que, até agora, ainda não aconteceu. No sábado seguinte ao da chamada, a situação se tranqüilizou depois que a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, falou com Mukherjee, que lhe assegurou que tal conversa com Zardari nãoaconteceu.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistão, ÍndiaMumbai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.