Korea Summit Press Pool via AP, File
Korea Summit Press Pool via AP, File

Trump acelera conversas com Coreia do Sul para encontrar Kim

Presidente americano telefona para líder da Coreia do Sul um dia após cúpula histórica

O Estado de S.Paulo

28 Abril 2018 | 13h35

WASHINGTON - Um dia depois do histórico encontro entre o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, na fronteira dos dois países, o presidente americano, Donald Trump, conversou neste sábado, 28, com Moon para acelerar os preparativos de sua reunião de cúpula com os norte-coreanos. 

Ocidente suspeita de diplomacia de Kim

“Tive uma conversa longa e muito boa com o presidente Moon da Coreia do Sul. As coisas estão indo muito bem, o momento e o local da reunião com a Coreia do Norte estão sendo definidos”, disse Trump no Twitter. O republicano acrescentou que ele também falou com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, para informá-lo das negociações.

Na Coreia do Norte, o dia seguinte ao encontro – no qual Moon e Kim comprometeram-se a pôr um fim oficial à Guerra da Coreia e com a desnuclearização da península – foi saudado pela imprensa oficial. “Coreia do Norte e a Coreia do Sul afirmaram o objetivo comum de conseguir uma península coreana não nuclear por meio da sua completa desnuclearização”, afirmou, a agência estatal norte-coreana KCNA.

Kim diz que visitaria Seul 'a qualquer momento' se for convidado 

A mídia de Pyongyang, como parte fundamental da estratégia de propaganda do regime, sempre louvou o programa nuclear do país, que é motivo de orgulho para os cidadãos e considerada garantia de sobrevivência para o regime.

Na Coreia do Sul, os jornais de sábado elogiaram com alguma reserva a cúpula intercoreana e destacaram a ausência de um compromisso firme e explícito do Norte de renunciar às suas armas nucleares.

+ Os pontos-chave da Declaração de Panmunjom, assinada na cúpula intercoreana

O jornal conservador Chosun disse em seu editorial que o encontro foi positivo a respeito da reparação dos laços entre as duas Coreias, mas deixou muito a desejar sobre a desnuclearização.

Na sexta-feira, depois de um aperto de mão simbólico com o presidente sul-coreano, Kim afirmou que a península estava “no limiar de uma nova história”.

Análise: Estamos nos preparando para que a cúpula Trump-Kim dê errado. Mas e se der certo?

Os dois vizinhos indicaram que buscariam se reunir com os Estados Unidos, e talvez também com a China, para declarar o fim da guerra e estabelecer um regime de paz permanente e sólido na península. 

Esta cúpula é o prelúdio de um encontro muito esperado entre Kim e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com local ainda indefinido. Moon deve visitar Pyongyang no segundo semestre para uma nova reunião com Kim. /AFP, REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.