Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Saul Loeb/AFP
Saul Loeb/AFP

Trump acompanha os protestos no Irã e alerta governo

Presidente americano tuitou elogiando a 'coragem' dos manifestantes e pediu que Teerã impeça a repressão dos atos

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2020 | 19h58

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que acompanha os protestos no Irã após o governo iraniano admitir que derrubou por engano o avião da Ucrânia, que caiu na quarta-feira matando as 176 pessoas a bordo.

"Ao corajoso povo do Irã que há muito sofre: estou ao lado de vocês desde o começo da minha presidência e minha administração continuará ao seu lado. Estamos acompanhando seus protestos de perto, e estamos inspirados pela sua coragem", escreveu o presidente americano no Twitter.

Trump pediu que o governo de Teerã impeça "outro massacre de manifestantes pacíficos". Desde outubro do ano passado, as autoridades iranianas enfrentavam diversos protestos e uma repressão desmedida deixou pelo menos 208 mortos, de acordo com a Anistia Internacional.

A agitação começou por causa do aumento abrupto de 50% dos preços da gasolina. Em 72 horas, manifestantes indignados ocuparam as ruas de cidades do Irã exigindo o fim do governo e a deposição de seus líderes. O reajuste foi a forma de cobrir um déficit no orçamento causado pelo forte embargo dos EUA ao Irã. Com a revelação sobre a derrubada do avião, o governo volta a ficar pressionado.

Neste sábado, os manifestantes tomaram as ruas novamente após Teerã admitir que foi responsável pela queda do voo da Ucrânia. Centenas de pessoas protestam contra o governo e a Guarda Revolucionária.

Os manifestantes se reuniram em frente à Universidade de Tecnologia Amir Kabir para acender velas em homenagem aos mortos, entre eles muitos estudantes iranianos. Os protestos tiveram gritos de “morte ao ditador”, em alusão ao líder supremo do Irã, Ali Khamenei, e pedidos de um referendo para o país. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.