Spencer Platt / Getty Images/  AFP
Spencer Platt / Getty Images/ AFP

Trump acusa ex-advogado de 'inventar histórias' para conseguir um acordo judicial

Michael Cohen admitiu na terça-feira ter feito pagamentos ilegais a mulheres ligadas a Trump para que elas não revelassem, durante a campanha eleitoral de 2016, um caso extraconjugal com o então candidato

O Estado de S.Paulo

22 Agosto 2018 | 11h25

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, acusou nesta quarta-feira, 22, seu ex-advogado Michael Cohen de “inventar histórias para conseguir um ‘acordo’”. O republicano usou sua conta no Twitter para criticar o antigo funcionário um dia depois de este admitir ter feito pagamentos ilegais à atriz pornô Stephanie Clifford - conhecida na indústria como Stormy Daniels - e à ex-modelo da Playboy Karen McDougal para que elas não revelassem, durante a campanha eleitoral de 2016, um caso extraconjugal com o então candidato. Entenda o caso aqui.

Cohen "cedeu à pressão" dos investigadores, disse Trump, acusando o jurista de ter inventado fatos a fim de obter um acordo judicial. Segundo o magnata, as infrações cometidas pelo advogado às normas eleitorais "não são um delito".

Por outro lado, Trump disse ter "um grande respeito por um homem corajoso" como Paul Manafort, seu ex-chefe de campanha, que foi considerado culpado de oito crimes, incluindo fraude bancária e sonegação, no primeiro grande julgamento derivado do inquérito do promotor especial Robert Mueller sobre a influência da Rússia nas eleições de 2016.

"Eu me sinto muito mal por Paul Manafort e sua maravilhosa família. Ao contrário de Michael Cohen, ele se negou a ceder - a inventar histórias a fim de obter um 'acordo', escreveu Trump no Twitter. 

Na véspera, Cohen, advogado de Trump durante uma década, se declarou culpado de oito acusações e revelou que, a pedido do atual presidente americano, pagou pelo silêncio de duas mulheres que alegam terem mantido um relacionamento com o então candidato republicano em 2016.

Reveja: advogado de Trump enfrenta atriz pornô

Cohen, de 51 anos, assumiu cinco crimes de sonegação fiscal entre 2012 e 2016, um de fraude bancária e dois delitos de violação da lei de financiamento de campanhas eleitorais.

Paralelamente, um júri declarou Manafort, de 69 anos, culpado em 8 das 18 acusações que pesavam contra ele, inclusive fraude fiscal, fraude bancária e omissão de declaração de contas bancárias no exterior. Nas 10 acusações restantes, o júri não chegou a um consenso para um veredicto, o que levou o juiz a declarar uma anulação parcial. / AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.