AP Photo/Evan Vucci
AP Photo/Evan Vucci

Trump adverte Rússia para não interferir nas eleições dos Estados Unidos

Presidente americano se encontrou com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov nesta terça-feira, 10

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de dezembro de 2019 | 00h45

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou nesta terça-feira, 10, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, de que a Rússia não deve interferir nas eleições americanas de 2020, disse um comunicado oficial da Casa Branca. A diplomacia de Moscou, no entanto, afirmou que a conversa não incluiu as eleições. 

Trump recebeu Lavrov no Salão Oval, a portas fechadas, para revisar o status das relações bilaterais entre os países. A Casa Branca emitiu posteriormente um comunicado sobre o conteúdo da reunião, em que dizia que "O presidente Trump alertou contra qualquer tentativa da Rússia de interferir nas eleições dos EUA e instou o país a resolver o conflito com a Ucrânia".

Trump relatou no Twitter a reunião com Lavrov: "Acabei de ter uma reunião muito boa com o ministro das Relações Exteriores Sergey Lavrov e representantes da Rússia. Discutimos muitas questões, incluindo comércio, Irã, Coréia do Norte, o Tratado INF. , Controle de armas nucleares e injeção externa ", escreveu. "Desejo continuar nosso diálogo em um futuro próximo!".

Trump ilustrou sua mensagem com uma foto dele sentado no Salão Oval, ao lado de Lavrov. No entanto, pouco depois, o próprio Lavrov negou em uma entrevista coletiva na Embaixada da Rússia em Washington que Trump havia tocado na questão das eleições. "Na verdade, nem falamos sobre eleições", disse ele.

As agências de inteligência dos EUA concluíram há três anos que a Rússia interferiu nas eleições de 2016 para potencializar as opções de Trump, algo que o promotor especial Robert Mueller confirmou no relatório que apresentou este ano após uma longa investigação.

No entanto, o presidente dos EUA adotou posições contraditórias sobre a suposta interferência russa e questionou que seu colega russo, Vladimir Putin, estivesse por trás de qualquer tentativa de interferir nesse processo eleitoral. Lavrov insistiu na terça-feira, durante uma conferência de imprensa com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que "as especulações sobre a suposta interferência" russa "são infundadas".

"Ninguém nos mostrou evidências sobre isso porque elas simplesmente não existem", disse Lavrov na conferência de imprensa, que ocorreu antes de seu encontro com Trump. A visita de Lavrov a Washington é a primeira que o ministro russo faz desde 2017, quando também conheceu Trump na Casa Branca.

Trump também comunicou a Lavrov seu apoio "a um sistema global eficaz de controle de armas que inclua não apenas a Rússia, mas também a China", segundo a Casa Branca. O ministro russo planejava levantar a preocupação de Trump com a falta de resposta de Washington à sua proposta de estender o tratado START III, que limita o armamento estratégico ofensivo e expira em 2021.

No entanto, a Casa Branca não esclareceu se essa questão estava na agenda, nem qual foi a resposta de Trump. O presidente também pediu à Rússia que "apoie os esforços dos EUA para impedir o Irã de desenvolver armas nucleares e garantir a desnuclearização da Coréia do Norte", e espera que o relacionamento bilateral com Moscou melhore para "aumentar o comércio "com os Estados Unidos. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.