REUTERS/KCNA
REUTERS/KCNA

Trump adverte que pode desistir de reunião com Kim Jong-un se achar que não será produtiva

Em entrevista coletiva, presidente americano afirmou que sua campanha de ‘pressão máxima’ contra a Coreia do Norte continuará até que o país abandone suas armas nucleares

O Estado de S.Paulo

19 Abril 2018 | 01h48
Atualizado 19 Abril 2018 | 13h06

PALM BEACH, EUA - O presidente dos EUA, Donald Trump, disse na quarta-feira 18 esperar que uma cúpula sem precedentes com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, seja bem-sucedida, após uma visita recente do diretor da CIA, Mike Pompeo, a Pyongyang. Contudo, o republicano advertiu que cancelará a reunião se achar que não produzirá resultados.

+ Coreias buscam acordo de paz após 65 anos

+ Trump diz que negociações de paz entre Coreias têm sua 'bênção'

Trump disse em uma entrevista coletiva junto ao primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, que sua campanha de “pressão máxima” contra a Coreia do Norte continuará até que o país abandone suas armas nucleares.

+ Diplomacia pelo Twitter: 14 vezes em que Trump usou a rede social para divulgar sua política

+ Kim Jong-un faz primeiro comentário oficial sobre diálogo com EUA

“Espero ter uma reunião muito bem-sucedida (com Kim)”, disse o presidente americano na Flórida. “Se eu achar que ela não será proveitosa, nós não iremos”, acrescentou. “Se quando eu estiver lá a reunião não for proveitosa, vou deixá-la respeitosamente.”

Ainda na quarta-feira, Trump afirmou que espera que a Coreia do Norte e a Coreia do Sul - tecnicamente ainda em guerra - possam encontrar o caminho para uma paz duradoura na próxima série de encontros diplomáticos.

"Esperamos ver o dia em que toda a Península da Coreia possa viver unida, com segurança, prosperidade e paz", declarou o americano. "Como já disse, um caminho promissor está aberto para a Coreia do Norte se ela realizar uma 'desnuclearização' completa, verificável e irreversível. Será um grande dia para eles e um grande dia para o mundo.”

A cúpula prevista com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, será "algo extraordinário para a Coreia do Norte e para o mundo", avaliou Trump. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.